Polí­tica

Foto: Divulgação

Após conquistar seu quarto mandato na Assembleia Legislativa o deputado estadual Eli Borges não esconde a descrença com o sistema político do Tocantins. Em entrevista ao Conexão Tocantins nesta segunda-feira, 13, ele disse que conquistou mais um mandato por mostrar durante esse tempo todo que é um homem de princípios.

“ Conquistei o sétimo mandato  e tenho o dever de continuar sendo o que sempre fui. Essa eleição teve dois momentos que dificultaram  muito para os cidadãos honestos como eu o leilão de líderes, já no mês de julho 80% dos lideres políticos do Estado foram adquiridos do mercado político a preço de ouro e nos últimos dias antes da eleição houve a notícia de que teve derrame de dinheiro na última hora com contratos aparentemente honestos”, apontou.

O parlamentar disse que pretende acionar oficialmente o Tribunal Regional Eleitoral do Estado para que fique mais atento à tais práticas. “ Vou formalizar no TRE, é preciso que o Tribunal esteja atento a estas práticas, chegou a hora da justiça trabalhar no sentido de punir essas pesquisas fraudadas, os lideres políticos que se venderam e o esquema disfarçado de boca de urna”, detalhou.

O parlamentar que representa os evangélicos disse que cada dia fica mais difícil fazer política honesta no Tocantins. “Está complicado ser político no Tocantins, as coisas estão piorando, o leilão de líderes foi muito forte ninguém que é honesto da conta de acompanhar além disso essa boca de urna legalizada e as pesquisas mentirosas”, pontuou.

Eli sempre foi do PMDB e disse que na próxima gestão do ex-companheiro de partido, Marcelo Miranda não sabe se será independente ou se poderá integrar a base do novo governo. “ Não defini ainda o posicionamento, o tempo vai dizer o que vai ser”, resumiu.

Borges foi o único eleito da coligação encabeçada pelo senador Ataídes Oliveira.