Esporte

Foto: Mário Sérgio Melo

Segundo relatou um morador de Dianópolis ao Conexão Tocantins, há aproximadamente três anos, o Ginásio de Esportes de Dianópolis não está em funcionamento por falta de investimento em estrutura. O ginásio é de responsabilidade do Estado e de acordo com informações repassadas ao Conexão Tocantins, o cenário é desolador. O superintendente de Estádios, Ginásios e Praças de Esporte, Belmiran de Souza, informou não ter previsão para início das obras mas salientou que o processo de licitação está em andamento.

Mário Sérgio Melo é morador de Dianópolis e afirmou em entrevista ao Conexão Tocantins na tarde desta sexta-feira, 25, que é visível o mato crescendo dentro e no entorno do ginásio, arquibancadas rachando, ferros retorcidos, banheiros precários e o teto prestes a desabar. De acordo com o morador, os jogos que deveriam acontecer no município, não acontecem devido aos inúmeros problemas. “Não teve nenhuma reforma ainda. Já deve ter uns três anos que está parado, inclusive os jogos do Jets regional foram migrados para Almas por conta da falta da falta do ginásio”, afirmou.

De acordo com Mário, o problema inicial foi com o piso do ginásio que era de madeira e estava apresentando problemas.

“O esporte é o maior inimigo das drogas. Já faz um ano e meio que estou aqui de volta e como o ginásio fica ao lado de onde eu trabalho, fiquei triste, para não dizer revoltado com o estado do Ginásio, que aliás, começando as chuvas agora seria muito útil pra prática esportiva em geral”, afirmou.

Secretaria de Esportes

O superintendente de Estádios, Ginásios e Praças de Esporte, Belmiran de Souza, informou que as obras de reforma do ginásio de Dianópolis estão em processo de licitação e serão iniciadas assim que definida a empresa vencedora,mas afirmou não poder dar previsão para início. 

Em entrevista ao Conexão Tocantins Belmiran negou a indisponibilidade do ginásio por três anos e informou ter passado por reforma ainda neste ano. “Passou no mês de maio por uma reforma no telhado e por uma reforma hidráulica. O problema é que houve um problema na infiltração do piso e foram suspensas as atividades. O piso não estava compatível com a prática esportiva, então nos achamos por bem e mais prudente não liberar o ginásio até que se fizesse o serviço no piso. Quem falou que está há três anos está mentindo”, afirmou.

Segundo Belmiran, todos os ginásios estaduais entraram numa lista de reforma no início do ano. “Acontece que entrou no período eleitoral e em todo período eleitoral são suspensos todos os processos”, acrescentou.