Estado

Foto: Divulgação Coordenador de Movimento quer volta do cheque moradia Coordenador de Movimento quer volta do cheque moradia

Questionada pelo Conexão Tocantins a Secretaria das Cidades, Habitação e Desenvolvimento Urbano informou que atualmente mais de 3.700 unidades habitacionais estão em construção ou licitação no Tocantins, benefício que chegará a mais de 16 mil tocantinenses.

Conforme a pasta todos os projetos habitacionais são frutos de programas do Governo Federal, com contrapartida financiada pelo Governo do Tocantins. Os contratos estão em execução e a própria pasta confirmou que  não houve conclusão de obras no ano de 2014, em decorrência de reprogramação das metas junto ao Agente Financeiro.

Procurada pelo Conexão Tocantins a coordenação estadual do Movimento Nacional de Luta pela Moradia estimou que haja mais de três mil habitações com obras paradas apenas na capital. “Só do Estado são mais de três mil habitações paralisadas há mais de cinco anos”, acusou o coordenador, ex-vereador de Palmas, Bismarque do Movimento.

Nos dados do movimento o Estado entregou cerca de 500 habitações em parceria com o governo federal e municípios. O déficit habitacional apontado pelo movimento no Estado é de 70 mil casas. “ Se formos analisar o deficit qualitativo que são as casas que precisam ser ampliadas e melhoradas para ter mais qualidade aos moradores esse índice dobra”, frisou.

Para o movimento além de conseguir as habitações outro desafio é melhorar as condições de habitação. “Falta infraestrutura e habitação”, disse.

Cheque moradia

O programa cheque moradia não é operacionalizado desde 2010 e passa por tomada de contas especial desde então, estando temporariamente suspenso até que o processo seja concluído. No atual governo o benefício não foi repassado a nenhuma família. Para o próximo governo o movimento pretende pedir ao governador eleito Marcelo Miranda que retorne com o benefício. “ É um programa muito produtivo que possibilita a família a construir a moradia e também fazer a reforma. Precisamos desse benefício de volta para diminuir o déficit habitacional”, disse o coordenador.