Polí­tica

Foto: Divulgação

O fim do atual governo se avizinha e os deputados estaduais que não são aliados da nova gestão começam a se organizar em torno de um nome para conseguir eleger o novo presidente da Casa de Leis. A eleição será só em fevereiro, mas a presidência do legislativo é uma das estratégias de sobrevivência do grupo que atualmente é ligado ao governador Sandoval Cardoso.

Um dos principais nomes que vem aglutinando forças ao seu redor é o atual presidente, Osíres Damaso do Democratas. Bem avaliado dentre os colegas, Damaso pretende continuar no comando. Em entrevista ao Conexão Tocantins ele confirmou a pretensão. “Tenho a intenção mas só vou para a disputa se tiver o apoio dos colegas”, disse.

O atual presidente disse que as conversas internas são constantes, porém, ainda sem escolha do nome. Damaso já disse que pretende fazer uma oposição responsável á nova gestão. O grupo elegeu maioria na eleição de outubro, mas muitos desses eleitos já se aproximaram do governador eleito, o que pode resultar em vantagem para o novo governo.

Auxílio-moradia

Além da presidência da Assembleia, outro assunto volta a rondar entre os parlamentares: o retorno do auxílio-moradia. O benefício, no valor de R$ 3.429,50, gerou uma das maiores polêmicas da Casa de leis, foi alvo de protestos e chegou a ser extinto, porém, há deputados que defendem a implementação do benefício.

Damaso confirmou que há alguns parlamentares que querem o benefício, mas que ainda não há nenhuma definição de ato da mesa diretora para instituir novamente o benefício.

Dentre os pretensos candidatos á presidência da Assembleia ouvidos pelo Conexão Tocantins o deputado José Bonifácio do PR deixou claro que se for eleito vai querer que os parlamentares tenham todos os benefícios e direitos que os federais.

Quando foi implantado, em março do ano passado, o benefício teve reação da população e em julho os parlamentares decidiram extinguir. O impacto mensal para a Casa de leis era de R$ 82 mil. Alguns parlamentares que tem residência própria na capital chegaram a devolver o valor ou se recusaram a receber.