Polí­tica

Foto: Divulgação

O debate na Assembleia Legislativa no final da atual gestão está cada vez mais acalorado. Alguns parlamentares do governo acusaram os da oposição de não comparecer para evitar a votação das matérias para que elas sejam analisadas na nova legislatura.As galerias da Assembleia Legislativa na sessão desta terça-feira, 25, ficaram lotadas de várias categorias que reivindicam a votação de projetos que tratam de benefícios para a Defensoria Pública, a Adapec e ainda a Polícia Militar.

O deputado Sargento Aragão (Pros) começou o debate quando pediu que as comissões se reúnam para votar as matérias que tratam das promoções dos policiais e bombeiros militares. “É hora de cada um policial visitar cada gabinete e fazer contato com seu deputado, aquele que você apoiou e pedir a ele o acordo que fizemos”, recomendou aos militares presentes. Aragão ao cogitar a possibilidade das matérias não serem aprovadas este ano. Segundo ele houve um acordo para que as votações tenham andamento.

O presidente da Casa, Osíres Damaso (Democratas) afirmou que a Casa de Leis está se arrastando há 40 dias para tentar votar matérias mas não há quórum. “Todas as matérias que comissões deliberaram e vieram a plenário foram pautadas”, defendeu.

O líder do governo, deputado Wanderlei Barbosa (SD)  fez um apelo para que as matérias sejam aprovadas. Estiveram presentes na sessão representantes de várias categorias e servidores da Defensoria Pública, Adapec além de militares.“Esperamos que os deputados votem a favor da polícia militar e de todos os órgãos que estão com matérias nesta Casa de Leis”, frisou.

O deputado Eli Borges pediu que a bancada da oposição se reúna para dialogar. “Para discutir esses pontos e conversar sobre as matérias. Quero contribuir nessa evolução”, disse.O parlamentar propôs uma conversa serena e tranqüila entre os parlamentares da oposição.

Críticas a oposição

O deputado estadual Stalin Bucar (SD) criticou a oposição e disse que há uma manobra ardilosa e espúria para evitar o quórum na Casa de Leis para atender os caprichos do novo governador Marcelo Miranda. “Isso é sacanagem para atender os caprichos do novo governador”, disse

Bucar criticou a oposição. “Tem bloco que faz parte da oposição que não quer aprovar mais nada nessa Casa”, disse Stalin. O parlamentar afirmou que há um deputado que quer penalizar a Assembleia por capricho.

O presidente Damaso mencionou que houve um acordo entre os deputados para que as matérias fossem votadas. “Eu tenho o poder de avocar as matérias e vou fazer isso até o último dia desse ano e os deputados é que vão decidir se vão votar a favor ou contra”, frisou.

No calor das discussões Eli Borges negou que haja boicote por parte da oposição. “ Não há nenhuma matéria da Defensoria, da Adapec ou dos militares na ordem do dia”, afirmou.

Após as discussões algumas comissões foram convocadas para análise dos projetos que serão analisados e depois encaminhados para votação final em plenário.