Saúde

Foto: Divulgação

Se o olho é a janela da alma, pode-se dizer que o fundo do olho é o espelho do organismo. Por meio de um exame detalhado da retina, um oftalmologista é capaz de identificar diversas patologias do corpo humano, inclusive a AIDS. Além dos métodos convencionais que realizam o diagnóstico da doença, problemas nos olhos podem indicar a presença do vírus HIV.

Em memória do Dia Mundial de Luta contra a AIDS, celebrado no dia 1º de dezembro, a Clínica de Olhos Yano alerta para os cuidados que o soropositivo deve ter com a visão, especialmente quando sofre com lesões oculares conhecidas como uveítes, que afetam tanto portadores do HIV como de outras doenças autoimunes.

“É possível que o paciente que busca tratamento oftalmológico para uveíte seja surpreendido com o diagnóstico do vírus HIV. Como o organismo fica imunodeprimido, os olhos ficam mais suscetíveis a lesões”, explica a oftalmologista da Clínica de Olhos Yano, Dra. Susan Yano Mocelin.

A uveíte é um termo genérico para a inflamação de um ou todos os segmentos da úvea, que é composta pela íris (parte mais visível e colorida do olho), corpo ciliar (estrutura vascular do olho que produz o líquido transparente no globo ocular) e coróide (camada de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo entre a esclera, parte branca do olho, e a retina).

A oftalmologista explica que as uveítes normalmente são acompanhadas de dor, vermelhidão, fotofobia e baixa visual. Por isso é necessário identificar qual a causa da inflamação para que o tratamento seja eficaz. “Um organismo debilitado é mais suscetível a infecções oculares, por isso é necessário muita atenção para evitar uma futura perda de visão. Se o paciente for mesmo portador do HIV é muito importante prevenir essas sequelas" finaliza Dra. Susan.