Estado

Foto: Divulgação

Na manhã desta terça-feira, 27, as entidades classistas que representam os servidores públicos estaduais se reuniram na sede administrativa do Sisepe-TO para discutir a decisão do governo de pagar o salário no dia 12 de cada mês. As entidades também deliberaram acerca do rombo nos cofres do Igeprev. O governo explicou a situação financeira delicada com que recebeu o Estado mas os sindicatos ignoram as explicações.

Os representantes abriram a reunião falando da decisão do Governo que alterou a data de pagamento dos salários dos servidores públicos, sem o devido diálogo com a categoria, por meio dos Sindicatos e Associações, que são sua representação legítima.

Devido a essa medida, os representantes classistas encaminharam ofício ao Secretário da Fazenda, Paulo Afonso Teixeira, informando ao gestor que os servidores públicos e as entidades classistas não aceitam, de forma alguma, que o pagamento aconteça no dia 12 de cada mês. No oficio, as entidades solicitaram que o pagamento seja feito todo dia 1º, conforme sempre foi feito no Estado do Tocantins.

Outro ponto discutido foi a atual situação do Igeprev, assunto que vem preocupando as entidades, desde 2013, quando elas estiveram pela primeira vez no Ministério da Previdência Social, com o ministro Garibaldi Alves. As entidades solicitaram uma audiência com o presidente do Instituto, Jacques Silva e os novos membros dos Conselhos de Administração e Fiscal, para o próximo dia 03 de fevereiro de 2015, às 14 horas na sede do Igeprev.

Segundo os Sindicatos, não há nenhum acordo com o Governo e as Entidades Classistas no que se refere a alteração da data de pagamento dos salários dos servidores públicos para o dia 12. A luta das entidades é para que o Governo pague o salário no dia 1º, evitando assim transtornos como juros e multas que poderão ser aplicados nas despesas mensais dos servidores por causa do atraso no recebimento do salário.