Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado José Bonifácio, aliado do governo, foi à tribuna nesta quinta-feira, 5, onde criticou o Sindicato dos Trabalhadores na Educação - Sintet  e ainda o secretário da Educação, Adão Francisco. “Estou torcendo para que se ajuste as coisas, é estranho e não admito certas interferências danosas principalmente quando vem nos atacar como políticos por termos dentro da fortaleza sertaneja a capacidade de trabalhar, de adquirir votos de elegermos e sermos eleitos. Eu não concordo com o que o Sintet fez lançando nota denegrindo a imagem nossa. Qual é  a moral desse Sintet vim falar da gente, falar da ingerências?”, disse se referindo a nota publicada pelo Sintet na qual o Sindicato afirma que  chefes políticos estariam intervindo na diretoria da rede estadual de ensino, removendo professores, coordenadores e diretores que foram aliados da gestão passada.

O parlamentar falou que o presidente do Sindicato José Roque precisa respeitar a classe política.

Ele citou trechos da carta que o Sintet fez contra o auxílio-moradia. “Esse Sintet tomou de assalto a Seduc o secretário é só fazendo reunião com Sintet e não faz nada. É só reunião brigando por eleição de diretor. Vamos dar vergonha a essa Educação se o cidadão não tem competência que entregue o cargo”, disse se referindo ao secretário.

O deputado admitiu que indicou os diretores de sua cidade que foram pessoas, segundo ele, que apoiaram a eleição do governador Marcelo Miranda (PMDB).  “Não é sindicato que vem denegrir a imagem nossa! Nós merecemos ser respeitados”, disse.

Rocha Miranda disse concordar com o posicionamento de Bonifácio em “gênero, número e grau”.

O deputado do PT, José Roberto Forzani saiu na defesa do secretário e se manifestou a favor da eleição direta nas escolas. “ Professor universitário com mestrado e doutorado em várias áreas é um profissional muito competente, muito educado não sei qual dos deputados teve acesso a ele os que tiveram vão dizer a mesma coisa”, frisou. Segundo ele Adão vai melhorar a Educação do Estado e reconheceu as dificuldades iniciais. “Secretário tem total preparo e Sintet tem todo direito de se posicionar”, frisou.

Amália Santana também defendeu o Sintet. "Nosso governo é democrático e sempre se dispôs a conversar com os sindicatos. Nosso secretário já mostrou que é preparado e educado", frisou. A deputada frisou que a Educação tem se mostrado no primeiro mês de governo que tem chegado às comunidades indígenas e ao campo. "O Sindicato vai continuar fazendo o papel que é dele, é prematuro avaliar qualquer gestor", alfinetou.