Estado

Foto: Divulgação Claudia Lelis é a primeira mulher a ser vice-governadora do Estado Claudia Lelis é a primeira mulher a ser vice-governadora do Estado

 Com profissionalismo, dedicação e amor, mais de 26 mil mulheres servidoras públicas trabalham para que o Estado do Tocantins se desenvolva. São professoras, administradoras, jornalistas, advogadas, copeiras, policiais e tantas outras que contribuem para o crescimento do Estado e fazem história por onde passam com suas competências e, especialmente, com a maneira de manter as relações pessoais.

Atualmente cinco mulheres estão no primeiro escalão do governo: Cláudia Lelis, vice-governadora; Elizângela Glória, reitora da Fundação Universidade do Tocantins (Unitins); Gleidy Braga, secretária de Defesa e Proteção Social; Luzimeire Carreira, secretária do Meio Ambiente e Recursos Hídricos; e a tenente-coronel Patrícia Rodrigues, secretária do Trabalho e Assistência Social.

Cláudia Lelis

Primeira mulher a ocupar o cargo de vice-governadora do Estado do Tocantins, Cláudia Lelis conta ter muito orgulho em fazer parte do Governo e ser a voz da mulher tocantinense - mulheres guerreiras por natureza. “Este dia 8 de março é um momento para fortalecer a importância do compromisso do Governo do Estado com ações e políticas de apoio às mães trabalhadoras que precisam encontrar no poder público ajuda e proteção”, pontuou.

 Cláudia também é mãe e relata como concilia a vida familiar e a profissional. “Conciliar vida familiar e profissional é fundamental para que ambas tenham sucesso. A base familiar é essencial na formação dos filhos e, para isso, busco conciliar meus compromissos profissionais com minha rotina familiar. Não é tarefa fácil, mas tenho conseguido acompanhar o desenvolvimento diário do meu filho mais novo, João Pedro, de oito anos, e também das minhas três filhas”, afirma. A vice-governadora diz que conta com profissionais que ajudam muito e que tem todo o apoio do esposo, Marcelo Lelis. “Ele contribui com toda sua experiência profissional nos assuntos relacionados ao trabalho e auxilia em todas as atividades familiares como pai exemplar. Somos um grande time onde disciplina, gratidão e amor ao próximo são essenciais”.

 Elizângela Glória

A reitora da Unitins, Elizângela Glória, é natural de Santa Tereza do Tocantins e graduada em Serviço Social. Foi a primeira pessoa de sua família materna a ter um diploma de ensino superior, no entanto, o sonho de ser professora estava no seu imaginário desde criança. Em 2009 ela se tornou professora da Unitins. “Sou professora por acreditar que a educação é capaz de mudar o ser humano e que o ser humano é capaz de mudar o mundo. Sou assistente social por acreditar que neste mundo não tem nada pronto e acabado, pois tudo é construído e reconstruído a partir das nossas relações subjetivas, intrafamiliares e sociais”, garante.

 Elizângela afirma que sempre lutou pela universidade e continuará lutando enquanto gestora. “Eu acredito na Unitins, no Estado do Tocantins, que a universidade tem um potencial enorme e que tem condição de contribuir efetivamente no desenvolvimento do Estado na área educacional, social, cultural e política; e que tem como finalidade precípua o fortalecimento do desenvolvimento do Estado a serviço da sociedade tocantinense”. Mesmo ocupando o cargo máximo da Universidade, Elizângela continua ministrando aulas. “Eu me realizo enquanto pessoa e profissional. Acredito também que os estudantes são a razão de ser da universidade e, por isso, não consigo me desvincular da sala de aulas”, disse.

 Gleidy Braga

 Nascida em um lar político, Gleidy Braga, secretária de Defesa e Proteção Social, é natural de Dianópolis e também é uma das mulheres que lutam para desenvolver o Tocantins, engajada em causas sociais e, principalmente, no movimento de mulheres. Como resultado desse envolvimento nas causas das mulheres, foi superintendente da Mulher, Direitos Humanos e Equidade do município de Palmas, assessora técnica da Secretaria Nacional de Juventude da Secretaria Geral da Presidência da República, conselheira nacional dos Direitos da Mulher e membro do Grupo de Trabalho Interministerial de Elaboração do 2° Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

 Aos 32 anos, Gleidy, é a primeira mulher a ocupar o cargo de secretária de Estado da Defesa e Proteção Social, com um perfil focado nos direitos humanos, na prevenção, proteção e defesa. Conta que seu trabalho será destinado para assegurar os direitos das pessoas que estão privadas de liberdade, como também da comunidade LGBT, das mulheres, das comunidades quilombolas e dos indígenas. “Para mim, é uma oportunidade única, com essa trajetória, estar à frente da Defesa e Proteção Social. Eu vou me esforçar e dar tudo de mim para alcançar as metas que o governador Marcelo Miranda colocou como prioritárias”, destaca.

 Luzimeire Carreira

 Formada pelo primeiro curso de engenharia ambiental do Brasil, em 1997, Luzimeire Carreira, nascida em Porto Nacional, é a atual secretária do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, e ressalta que trabalhou e se dedicou muito para se destacar na sua profissão. “Eu comecei a trabalhar muito cedo e sempre tive a consciência da importância do desenvolvimento do meu lado profissional. Para isso, sempre me cobrei muito, me dediquei e desempenhei minhas funções da melhor forma possível”, frisa. Luzimeire diz ainda que conciliar o trabalho com a família, com o cuidar dos filhos e da casa é complicado, no entanto, sempre busca desempenhar muito bem o seu papel como mãe e como esposa. “Eu me cobro muito essa responsabilidade, mas é tudo muito prazeroso, não tem nenhum lado que eu gostaria de deixar de fazer”, ressalta.

 Luzimeire fala que os desafios encontrados por ela ao assumir a pasta do Meio Ambiente e Recursos Hídricos são muitos e que o objetivo maior é fazer com que do Estado tenha uma política realmente sustentável, pensando no futuro, e que só assim o Estado vai se desenvolver, baseado na sustentabilidade do ponto de vista econômico, social e ambiental.

 Tenente coronel Patrícia Amaral

Há 25 anos fazendo parte da Polícia Militar do Estado do Tocantins, a tenente coronel Patrícia Amaral, agora ocupa o cargo de secretária do Trabalho e Assistência Social e conta que a afinidade com as causas sociais e assistenciais surgiram quando ainda era auxiliar de enfermagem na capital goiana. “Antes de entrar na polícia, eu fazia curso de Enfermagem lá em Goiânia e já trabalhava no Hospital Araújo Jorge como enfermeira assistente. Lá, eu já cuidava, já zelava, já tinha aquele carinho em acompanhar não só o paciente, mas também a família, que muitas vezes precisava de mais atenção”, relata.

Patrícia destaca que a assistência social no Estado está embasada em programas, projetos e metas a serem cumpridas. Ao ser indagada sobre o desafio que tem pela frente, a secretária reforça que as ações são prioritárias não só para a pasta, mas para o Governo. “A missão não é só minha, é também do nosso governador Marcelo Miranda e da nossa primeira-dama Dulce Miranda, principalmente porque nós sentimos que o Estado carece dessa atenção e desse cuidado”, afirma.

 Representantes femininas

 O Tocantins tem grandes mulheres representando o povo na esfera parlamentar. Na Assembleia Legislativa, são elas: Amália Santana, Luana Ribeiro e Valderez Castelo Branco. Já na Câmara Federal, Dulce Miranda, que também é primeira-dama do Estado; Dorinha Seabra, e Josi Nunes. No Senado, e agora ocupando o cargo de ministra da Agricultura, Kátia Abreu, primeira tocantinense a ocupar cargo tão relevante. O Estado tem ainda 22 prefeitas.

 As mulheres do Estado conquistam representatividade ainda no Judiciário. As duas últimas presidentes do Tribunal de Justiça, por exemplo, Jaqueline Adorno e Angela Pudente são mulheres. Adorno atualmente é presidente do Tribunal regional Eleitoral.

No Ministério Público Estadual a Procuradora Vera Nilva também já ocupou o cargo de Procuradora Geral de Justiça.