Saúde

Foto: Marcio Vieira  A vacina contra o HPV foi introduzida no calendário vacinal em 2014 A vacina contra o HPV foi introduzida no calendário vacinal em 2014

Começa nesta terça-feira, 10, a mobilização para vacinação contra o Papilomavírus Humano (HPV) no Tocantins. A expectativa da Secretaria da Saúde do Estado (Sesau) é vacinar 42.141 pessoas, que compõem os dois grupos prioritários. Este ano a vacina é oferecida a meninas com faixa etária entre nove e 11 anos e mulheres soropositivas com idade entre nove e 26 anos.

A vacina contra o HPV foi introduzida no calendário vacinal em 2014 e, conforme explica a gerente estadual de imunização, Rosângela Bezerra, a vacina não é oferecida em campanhas. “Ela está disponível nos postos de vacina durante todo o ano. O que estamos fazendo agora não se trata de campanha, mas de uma sensibilização para que os grupos priorizados pelo Ministério da Saúde voltem aos postos para iniciar ou dar continuidade ao esquema vacinal”, reforça.

Em meninas de nove a 11 anos, a vacina deve ser aplicada em três doses, com diferença de seis meses entre a primeira e a segunda dose e de 60 meses entre a segunda e a terceira dose.

“No caso das meninas e mulheres com HIV a recomendação é a aplicação da vacina em três doses e com diferença de dois meses entre as duas primeiras e a terceira dose seis meses depois”, explica a diretora estadual de Doenças Não Transmissíveis e Transmissíveis, Adriana Cavalcante.

Para este último grupo, a vacina será aplicada somente mediante prescrição médica. “Basta a menina ou mulher solicitar ao médico com quem já realiza acompanhamento a prescrição da vacina contra o HPV”, completa Adriana.

Mobilização

Entre as estratégias de mobilização para ampliação da cobertura vacinal contra o HPV, que serão adotadas pelos municípios, estão a busca ativa em visitas domiciliares e parcerias com escolas para verificação do cartão de vacina.

Entre os dias 2 e 4 de março, coordenadores municipais de vacinação e técnicos de salas de vacinas de todo o Estado participaram de reuniões de orientação organizadas pela Sesau.

Segundo a gerente estadual, o intuito da mobilização é reforçar aos grupos prioritários que o esquema vacinal precisa ser completo para que o indivíduo  adquira imunidade.

“No ano passado, conseguimos bons indicadores na primeira etapa, que vacinou 104,75% da população-alvo. Mas a segunda etapa ficou em apenas 47%. Essas meninas precisam completar o esquema de três doses”, disse Adriana.