Estado

Foto: Divulgação

Os policiais civis do Tocantins decidiram em assembleia da categoria que terminou no início da noite desta sexta-feira, 20 de março, manter a greve geral da categoria iniciada no dia 25 de fevereiro. A alegação do Sindicato é que o governo não deu resposta à contraproposta protocolada pelo comando de greve no final da manhã de ontem. Segundo o Sindicato, a Assembleia geral contou com cerca de mil policiais e rejeitou a proposta do governo apresentada em reunião na noite de quarta-feira, 18, com o Sinpol, Defensoria Pública e MPE (Ministério Público Estadual) através do Protocolo de Intenções proposto.

Outro encaminhamento da Assembleia é que se o Governo do Estado aceitar a contraproposta do comando de greve, os policiais voltam ao trabalho imediatamente e a greve estará encerrada. Na contraproposta o comando de greve quer que o governo comece a pagar em 2016, porém, faça a emissão de títulos públicos que pudessem ser descontados pelos policiais em um banco conveniado com o Estado. Esses títulos teriam o valor total do alinhamento de 2015 e ficaria a cargo do Estado fazer esse convênio com o banco.

Conforme a proposta, o policial que não quisesse pagar as taxas ao banco para receber o montante do alinhamento de 2015 de uma só vez neste ano terá a opção de receber retroativamente o dinheiro do próprio governo, em 36 parcelas, com a primeira sendo paga em janeiro de 2016.

Na proposta assinada no MPE o governo se comprometeu a não descontar os dias trabalhados e retirar a ação da Justiça além de encaminhar em até 10 dias um novo projeto de lei que trata do realinhamento com os mesmos valores.

Em nota à imprensa a Comissão de Análise de Impactos de Pessoal sobre os Recursos Financeiros do Estado, afirmou que acerca da nova proposta apresentada por parte do comando de greve da Polícia Civil, que difere do conteúdo do Protocolo de Intenções subscrito pelo Sinpol em 18/03/2015, só retomará qualquer conversação após o encerramento da greve, reiterando que novas tratativas ficam condicionadas aos limites do mencionado Protocolo. 

Por: Redação

Tags: Moisemar Marinho, Sinpol