Geral

Foto: Divulgação

As estórias contadas nas rodas de amigos na pacata cidade de Piraquê (TO), cuja tradição oral é repassada de pai para filho, agora serão registradas no acervo da literatura regional. O livro do gênero conto “É Mentira Tuca? Verdade, Emilio!” primeira obra do escritor tocantinense Emílio Rodrigues Lopes reúne 22 causos piraqueenses, está com previsão de lançamento  para o final do mês de abril.

O prefácio assinado por Zacarias Martins apresenta a obra como uma seleção especial de “causos” pitorescos, cujo pano de  fundo é a pequena Piraquê. Pondera que o autor tem uma característica muito peculiar de registrar as “acontecências” de sua terra natal, onde faz incursões por temáticas das mais variadas, sempre com uma pitada de bom humor. E que a narrativa dos causos desperta sentimentos de alegria e até mesmo, de saudade, ao nos vermos identificados com alguns dos personagens ou situações aqui registradas.

Contos

Emílio explica que as estórias narradas na obra literária foram repassadas através da oralidade por antigos moradores e vivenciadas pelo próprio autor quando ainda bem garoto. E relembra que “Tuca,” é na verdade uma pessoa com quem mais compartilhou os causos.  Já  o título do livro, o autor enaltece que remete ao diálogo do personagem Pantaleão contador de causos quando este pergunta sempre a sua esposa: “É mentira Terta? –Verdade, ela responde. Sendo assim, também uma homenagem ao humorista falecido Chico Anysio.

Ilustração da capa e lançamento

Na capa, ainda em fase de produção, aparece a ilustração de Tuca em pé, atrás de uma cadeira, e o autor sentando ouvindo atentamente as estórias. O lançamento, pela Editora Veloso,  deve acontecer no final de abril nas cidades de Piraquê, Formoso do Araguaia e Gurupi. E o valor de cada exemplar do livro, que estará disponíveis em livrarias e bancas de jornais, será  de R$ 20,00.

Perfil do autor

Emílio Lopes é natural de Piraquê-TO, mas atualmente reside em Gurupi. Professor graduado em Normal Superior e História, atua na Educação desde 1993. Na comunicação e imprensa escrita iniciou em 2002, com o folhetim O Araguaia, jornalzinho datilografado em Piraquê juntamente com João Sousa, Toim da Preta e o Professor do SOME na época, Antonio Carlos.

Em Araguaína, trabalhou por 4 anos na FIETO/SENAI como assistente de Biblioteca e Assessor de imprensa na Unidade de Comunicação, passando em seguida pelos jornais o Norte, O Girassol de Palmas e o Araguaína News. Colaborou com a criação do Portal AF Notícias. Articulista, Cronista e Poeta, já publicou artigos em portais de notícias e jornais do Estado.

Trabalhou como Coordenador de Cursos de pós para ESEA (Especialização e Estudos Avançados), realizando viagens ao Ceará no ano de 2010. De 2011 a 2014 integrou o corpo docente da Fundação Bradesco do Tocantins.

Por: Redação

Tags: Emílio Rodrigues Lopes, Piraquê