Saúde

Foto: Heitor Iglesias

Cresceram os registros de casos novos de hanseníase no Tocantins no último ano. Considerada uma doença milenar e cujo tratamento só é oferecido pela rede pública de saúde, a hanseníase é contagiosa e transmitida pelo bacilo Mycobacterium leprae através do contato prolongado com o portador da doença. 

Em 2014, foram registrados 1.020 novos casos, enquanto em 2013, foram registrados 883 casos novos do agravo em todo o Estado. Considerando os casos registrados em população com até 15 anos, em 2014 foram diagnosticados 93 casos novos e em 2013, outros 83 casos. 

Entre 1º de janeiro e 6 de março de 2015, foram notificados 108 casos de hanseníase ao todo, sendo 11 deles em população com até 15 anos. 

O crescimento de 13% na população geral, no último ano registrado, no número de novos casos diagnosticados da doença não é um mau indicador, segundo explica a técnica Maria Isabel Monici, da Área Técnica da Hanseníase. “O Tocantins é uma região considerada endêmica para hanseníase e o crescimento do registro de casos, para nós, significa que estamos conseguindo alcançar e diagnosticar os casos em circulação”, explica Maria Isabel. 

Assessoria Técnica 

No Tocantins, o trabalho de Assessoramento Técnico Regionalizado oferecido pelo Governo do Estado, através da Secretaria do Estado da Saúde (Sesau), tem obtido bons resultados. Representantes da Organização Não Governamental (ONG) Netherlands Hanseniasis Relief (NHR) realizaram visita ao Anexo I da Sesau para avaliar o desempenho da parceria entre a filial brasileira da ONG holandesa e o Estado do Tocantins. Também estiveram no local os consultores internacionais da NHR Henk Eggens e Liesbeth Mieras. 

“Temos uma parceria com o Tocantins desde 1997 e sempre foi um dos melhores projetos da NHR, sempre com muitas idéias inovadoras em nossas parcerias. Para nós, é um projeto importante porque mostra novos caminhos para todos os outros projetos que desenvolvemos”, comentou o representante da NHR no Brasil, Duane Hinders. 

O projeto de assessoramento, subsidiado pela NHR Brasil, permite que técnicos da Sesau realizem capacitações in loco a equipes de saúde do interior do Tocantins.  “A ideia é que os profissionais vivenciem em seu próprio consultório os esclarecimentos relativos às dúvidas que surgem no momento do diagnóstico dos pacientes”, esclarece a gerente estadual de Doenças Transmissíveis, Patrícia Regina Moreira Gomes. 

Com mais profissionais capacitados a realizar o diagnóstico e acompanhamento de casos, o Governo do Estado espera ampliar o número de diagnósticos e, consequentemente, interromper o ciclo de transmissão da doença. 

A diretora estadual de Doenças Não Transmissíveis e Transmissíveis, Adriana Cavalcante, explica ainda que a dedicação da equipe técnica no trabalho desenvolvido no Tocantins também já foi reconhecida pelo Ministério da Saúde em 2007, com a primeira colocação na Mostra Nacional de Experiências Exitosas Bem Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças. 

Sintomas e tratamento 

Os principais sintomas da hanseníase são dormência ou formigamento na pele, manchas avermelhadas ou esbranquiçadas, perda de sensibilidade na pele, queda de pelos ou diminuição da força muscular. A evolução sem tratamento pode levar à deformidades físicas. 

A doença pode se manter silenciosa por longo período e é transmitida pelo contato prolongado com o portador do bacilo. O tratamento é gratuito e oferecido em qualquer unidade básica de saúde do Estado. O início do tratamento interrompe a transmissão do bacilo transmissor.