Polí­tica

Foto: Divulgação

Atendendo ao requerimento do deputado Paulo Mourão (PT), líder do governo na Assembleia, será realizada na tarde desta quinta-feira, dia 26, às 14h, no plenário da Assembleia Legislativa, a audiência pública para discutir e apresentar soluções acerca da viabilidade pedagógica, estrutural e econômica da Fundação Universidade do Tocantins (Unitins) nos campi de Araguatins, Augustinópolis e Dianópolis, por meio da Comissão de Educação, Cultura e Desporto.

Paulo Mourão vem questionando a forma como foram criados os campi da Universidade pelo governo anterior, nos respectivos municípios. “Criaram os campi sem orçamento, sem estrutura física, pedagógica e sem condições jurídicas para mantê-los”, avalia. O deputado ressaltou que irá fazer a sua parte: discutir com a classe acadêmica e autoridades ligadas para que se manifestem sobre essa problemática, a fim de buscar soluções para a universidade. “Queremos buscar soluções para a Unitins e fazer com que os alunos não sejam prejudicados por ações irresponsáveis”, declarou.

Mourão destacou a preocupação do governador Marcelo Miranda em resolver os problemas da universidade para restabelecer a ordem jurídica legal. “O governador Marcelo Miranda tem se empenhado e se preocupado com a situação da Unitins, por isso já destinou orçamento de R$ 38 milhões, sendo R$ 20 milhões para o Campus de Palmas e R$ 18 milhões para atender as necessidades dos campi de Araguatins, Augustinópolis e Dianópolis. Alguns parlamentares destinaram emendas para garantir recursos a fim de contribuir com a reestruturação da Universidade”, disse. 

No último dia 12 foi homologado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) um termo aditivo do Termo de Ajuste de Conduta (TAC), firmado com a Unitins, com o objetivo conceder prazos para que a universidade cumpra exigências do MPT, permitindo restabelecer a retomada das aulas do calendário de 2015 nos campi de Araguatins, Augustinópolis e Dianópolis.

A reitora da Unitins, Elizângela Glória Cardoso, avalia o momento como oportuno e de extrema importância para apresentar a situação atual da Universidade. “Considerando que a universidade é um patrimônio público é preciso dar transparência da situação atual em que ela se encontra. Contamos com o apoio e a participação ativa de toda a comunidade acadêmica, da sociedade em geral, do poder público, poder judiciário e Assembleia Legislativa para juntos de mãos dadas traçarmos estratégias para superarmos situação atual, e realizarmos um planejamento futuro que venha de fato fortalecer a universidade como um todo para o desenvolvimento do Estado do Tocantins”, destacou.

 Foram convidados para a audiência pública o Procurador Geral do Estado, a Reitora e o ex-Reitor da Fundação Universidade do Tocantins/Unitins, o Presidente do Conselho Estadual de Educação do Tocantins, Ministério Público Estadual, o Ministério Público do Trabalho, o Secretário da Educação e a classe acadêmica.