Campo

Foto: Divulgação

Os resultados das ações do Plano ABC -  Agricultura de Baixa Emissão de Carbono no Tocantins, que estão sendo implementadas desde 2012, pela Embrapa Pesca e Aquicultura, Ministério da Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Instituto de Desenvolvimento Rural (Ruraltins), foram apresentados durante reunião realizada no auditório da Embrapa, em Palmas.

De acordo com dados apontados pelo chefe geral da Embrapa Pesca e Aquicultura, Carlos Magno Campos da Rocha, até o momento, mais de 70 técnicos capacitados, 40 Unidades de Referência Tecnológica (URT’s) implantadas em 26 municípios, destas 36 coordenadas por técnicos do Ruraltins, ocupando uma área total de 2.620 hectares.

“O Ruraltins é o grande protagonista deste projeto, pois está junto dos produtores, participando, estimulando, trocando ideias, levando conhecimento e as novas tecnologias. A nossa meta é ampliar a atuação do órgão e alcançar 100 URT’s implantadas, totalizando sete mil hectares de área, disse Carlos Magno.

O presidente do Ruraltins, Pedro Dias, ressaltou que a ampliação do projeto vem para consolidar as atividades e a equipe de multiplicadores, pois o ABC é muito importante para o desenvolvimento do setor agropecuário do Tocantins.

“O Plano ABC é um projeto que atende não só as demandas do médio e grande produtor, mas também as da agricultura familiar.  Nosso objetivo é formar empreendedores nas cadeias produtivas do leite, frutas e peixe. Os próprios resultados e a cobrança por parte dos produtores nos convencem de que podemos apostar tudo nesse projeto”, avaliou o presidente

ABC/TO

De acordo com informações da Embrapa as ações do ABC fazem parte dos projetos “Transferência de Tecnologia para Consolidação de uma Agricultura de Baixa Emissão de Carbono no Tocantins” (ABC TO) e “Transferência de Tecnologia para a bovinocultura leiteira do Tocantins” (ABC Leite TO) que se baseiam, principalmente, no processo de capacitação continuada de técnicos multiplicadores das tecnologias Integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF), Recuperação de pastagens degradadas (RPD) e Sistema plantio direto (SPD). Os projetos contribuem para o atendimento das metas propostas pelo Governo Federal com o Plano Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Plano ABC )

A dinâmica dos trabalhos de cada técnico participante do projeto é bem estruturada: após se responsabilizar para atender uma URT, ele aplicará os conhecimentos adquiridos nos módulos teóricos, associados a sua bagagem técnica, para implantar sistemas integrados de produção e recuperar ou reformar pastagens.

O Programa Agricultura de Baixo Carbono foi criado em 2010 pelo Governo Federal e concede benefícios e créditos para os agricultores que querem adotar técnicas agrícolas sustentáveis.

O ABC tem como principais objetivos promover a redução de emissões de gases de efeito estufa, oriundas das atividades agropecuárias; reduzir o desmatamento; aumentar a produção agropecuária em bases sustentáveis; ampliar a área de florestas cultivadas; e estimular a recuperação de áreas degradadas. (Ascom Ruraltins)