Economia

Foto: Josimar Oliveira

O crescimento do pátio multimodal da Ferrovia Norte-Sul de Porto Nacional, situado a 30 km de Palmas, no Distrito de Luzimangues, tem atraído várias empresas este ano para impulsionar o desenvolvimento econômico do Estado e facilitar o escoamento da produção bem como a geração de emprego e renda. Com os esforços da atual gestão estadual, o Tocantins caminha para se consagrar como um grande eixo de desenvolvimento do Brasil em razão da logística e localização estratégica.

O diretor de Desenvolvimento Econômico da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Eremilson Ferreira Leite, afirmou que várias empresas já sinalizaram que pretendem se instalar, aproveitando a ligação, pela Ferrovia Norte-Sul, do Tocantins com o Porto de Itaqui, no Maranhão. 

“As expectativas são as melhores possíveis. Com a liberação da Ferrovia Norte-Sul, por parte da Valec, no trecho de Anápolis até Porto Nacional nós já damos uma cobertura de 100% no território tocantinense, trazendo um grande ganho para o polo de Porto Nacional”, revelou. O pátio está em funcionamento desde 2013 e conta com empresas de transporte de combustível (BR Distribuidora, Norship e Raízen) além da mais recente que entrou em operação, a Agrex do Brasil. 

A Agrex teve o mais novo terminal de transbordo ferroviário de grãos inaugurado no polo, no dia 5 de fevereiro deste ano, e já está em operação. A empresa estima movimentar em Porto Nacional, neste ano, 250 mil toneladas de grãos. Criada em 2013, a empresa atua na produção e comercialização de grãos, fertilizantes, sementes e distribuição de defensivos agrícolas nos estados do Centro-Oeste e Nordeste.

O gerente de logística da Agrex, Edson Ferreira Dantas, afirmou que neste primeiro mês, a empresa já carregou 25 mil toneladas de grãos, em especial a soja. “A operação já começou, estamos recebendo a safra de grãos e produção da região e carregando os vagões. A soja que vem do produtor, nós padronizamos e carregamos os vagões de Porto até São Luís”, disse ao acrescentar que todo o carregamento é feito via ferrovia. 

Na área de grãos, a Valor da Logística Integrado (VLI) é uma das empresas da gigante Vale do Rio Doce, que opera em várias regiões do Brasil, com transportes de commodities agrícolas, que já está com as obras orçadas em R$ 125 milhões para o polo, segundo Eremilson Leite. O gerente comercial da empresa, Filipe Falheiros, informou que o terminal já está em construção. “Somos uma empresa de portos, terminais e ferrovias. O que estamos levando para Porto Nacional é um terminal focado em grãos para atender a região”, frisou. A expectativa é que o terminal comece a operar ainda neste ano.

O Governo já está em fase de conversação e análise com outras empresas interessadas. “A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo está de portas abertas para receber todos os empresários. Temos incentivos ficais que são uma boa contribuição para o empresariado que, com certeza, pode confiar neste Governo que trabalha em prol do desenvolvimento econômico e social do Estado”, assegurou. Além da geração de empregos e investimentos para o Tocantins, o diretor lembrou do impacto econômico direto para a Capital, Palmas.