Polí­tica

Foto: Divulgação

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Odebrecht Ambiental/Saneatins aprovou Requerimento, de autoria do deputado Olyntho Neto, que solicita documentação à empresa, informando os critérios de composição das tarifas cobradas do consumidor pela distribuição de água tratada e de tratamento de esgoto, além de documentação que esclareça o trâmite de transferência de privatização da Saneatins da empresa EMSA para a Odebrecht. O Deputado tem conhecimento de que há diferença na cobrança, de tarifa e taxa, de município para município e alega que a população deve ter conhecimento das formas de cobrança do serviço prestado pela empresa.

O deputado Valdemar Júnior parabenizou Olyntho pela iniciativa de solicitar tal documentação. “Esta atitude do deputado Olyntho Neto conta com o meu apoio. A transição de EMSA para Odebrecht não está clara e precisamos saber por que o Estado saiu dessa sociedade.” Esse e muitos outros questionamentos foram feitos por Olyntho e Valdemar Júnior.

Olyntho já solicitou toda a documentação da CPI da Saneatins realizada na legislatura anterior além de requerer à ATS quaisquer outros documentos envolvendo a Saneatins, as empresas EMSA e Odebrecht Ambiental, que ainda não tenham sido juntados aos autos da CPI.  Os deputados Rocha Miranda e Eduardo do Dertins também parabenizaram o deputado Olyntho e subscreveram o Requerimento.

“Precisamos esclarecer à sociedade a operação de privatização da Saneatins e como é feita a cobrança das tarifas de água e esgoto. Solicito, por meio de Ofício, toda a documentação também das estatais ATS (Agência Tocantinense de Saneamento)  e ATR (Agência Tocantinense de Regulação), que acompanharam a transição e têm conhecimento sobre os custos do serviços prestados pela Odebrecht Ambiental”, declarou Olyntho.

O Requerimento do deputado Olyntho também questiona a construção de uma nova Estação de Tratamento de Esgoto em Araguaína, que segundo ele, deveria ser feita fora da zona urbana da cidade, mas a obra está sendo executada no centro de Araguaína, em local inadequado e prejudicial à população. “A ETE é importante, deve ser construída, é para o bem da população, mas está sendo feita em local inadequado e a Odebrecht Ambiental deve prestar esclarecimento público sobre esta obra”, finalizou.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Odebrecht Ambiental/Saneatins realizou sessão extraordinária na manhã desta terça-feira, 7, com a presença de todos os membros titulares, além do deputado Amélio Cayres, que prestigia e auxilia os trabalhos da Comissão.