Polí­tica

Foto: Divulgação

O senador Donizeti Nogueira (PT-TO) foi eleito vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a investigar denúncias nos julgamentos realizados pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) na tarde dessa terça-feira, 19. Em 120 dias, a CPI investigará a manipulação de resultados para anular autuações fiscais ou reduzir substancialmente os tributos cobrados, resultando em um montante de R$ 19 bilhões de impostos sonegados, esquema revelado pela Operação Zelotes da Polícia Federal. O presidente da CPI será o senador Ataídes de Oliveira (PSDB-TO) e a relatora será a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

Vinculado ao Ministério da Fazenda, o Carf é um conselho paritário de 72 membros, composto por representantes das empresas e indicados da Receita Federal.

Para o senador Donizeti, a CPI é importante pelo momento que vive o País porque o montante desviado pela corrupção aliviaria o ajuste fiscal. “Deve ser combatido esse câncer da sociedade brasileira, que são aqueles que recolhem impostos do cidadão e não repassam para o Governo Federal”, afirmou. 

Na primeira reunião, foi aprovado o requerimento do senador Otto Alencar (PSD/BA) para a convocação do procurador-chefe da Fazenda Nacional, Paulo Riscado, Frederico Paiva, membro do Ministério Público Federal, do delegado da Polícia Federal da Operação Zelotes, Oslain Campos Santana, do presidente do Carf, Carlos Barreto e Maria Teresa Martinez Lopes, vice-presidente do Carf, Paulo Roberto Cortez, conselheiro do Carf, e Leonardo Siade Manzan, advogado.

Também foram aprovados requerimentos do senador Ataídes Oliveira que solicitam à Polícia Federal, ao Ministério Público Federal e ao juiz da 10ª Vara Federal cópias dos documentos da Operação Zelotes.