Palmas

Foto: Divulgação

O presidente da Associação dos Pioneiros de Taquaralto, Vital Nunes Barros, contou em entrevista ao Conexão Tocantins um pouco da história, do surgimento do bairro e disse que a principal necessidade no momento é a rede de esgoto. O presidente afirmou ainda que Taquaralto precisa de muitas outras coisas, no entanto, por não ter áreas públicas, não se pode fazer muito. "O bairro ficou muito pequeno e não tinha como fazer. Tem muitas coisas que nós não temos em Taquaralto porque não tem espaço", afirmou.

Na campanha de 2012 o prefeito prometeu construir um Shopping a Céu Aberto mas até o momento a obra sequer começou.

Confira entrevista na íntegra 

Conexão Tocantins- O senhor reside há quanto tempo em Taquaralto?

Vital Nunes- Desde 1972.

CT - O senhor poderia nos contar um pouco da história, de como surgiu bairro?

VN- A primeira casa em Taquaralto ela foi construída em 1971. Eu tinha um tio que morava uns 200 metros do centro de Taquaralto e nós morávamos mais embaixo e um rapaz chamado José Galvão que já morreu, construiu a primeira casa em Taquaralto em 1971. O povo falava para ele que ele era doido de ir morar em um lugar desses que não tinha água, um deserto, mas ele disse que ia construir e construiu. Aí no final do mesmo ano meu tio Valdemar construiu outra casa e foi indo assim, o tio Jaime construiu outra, a quarta foi de outro tio meu, a quinta foi a do meu pai. Aí foi assim. Não tinha escola aí um dos meus tios foi em Porto Nacional na época falar com o prefeito de Porto Nacional para trazer uma escola para Taquaralto e aí em 1973 já tinha escola de palha, mas estudava todo mundo. Já em 1976, 77 fizemos uma igreja católica de adobe, o padre vinha de Porto celebrar missa e hoje o lugar da igreja é um cemitério. Daí por diante foi crescendo, na época não era chamado de Taquaralto, era entroncamento, depois mais na frente colocamos Taquaralto porque tinha Taquaruçu e colocamos Taquaralto. Foi crescendo, fazendo casas e hoje é uma cidade. Nossa casa, do meu pai, foi construída em 1975, a quinta casa foi a do meu pai e nós já tinha escola de palha. Não tinha água aí nós pedimos um poço artesiano porque ainda não tinha água, tinha umas 70, 80 casas na época, e aí enchia as caixas de água de manhã e nós tinha água o dia todo. Por isso que sou o presidente da Associação dos Pioneiros de Taquaralto porque conheço toda a realidade, inclusive, todos os anos eu faço o baile dos pioneiros, nos fechamos a rua, tudo organizado. Estou com 55 anos e quando mudei pra Taquaralto tinha 13 anos. Conheço muito bem.

CT- Quantos moradores residem atualmente em Taquaralto?

VN- Eu não tenho essa base não porque a gente sai de Palmas e acha que já está em Taquaralto mais não é. O Morada do Sol, Santa Fé I, Santa Fé II, Aureny I, II, Santa Bárbara são bairros maiores. Taquaralto é um dos bairros mais pequenos de Palmas. 

CT- Quais são as principais carências do bairro?

VN- Nós não temos uma feira coberta porque quando Palmas chegou que o prefeito Fenelon (Barbosa) veio pra cá, nos já morávamos, nós mesmos abrimos as ruas, então não ficou áreas públicas que desse para construir uma feira coberta. Nós temos um posto de saúde que é muito bom, temos a policlínica. Rede de esgoto nós não temos e agora o prefeito Amastha está fazendo. Taquaralto não tem creche, dentro de Taquaralto hoje só temos um posto de saúde. Nós não temos creche, não temos delegacia em Taquaralto, nós não temos nada só um posto de saúde porque na época não ficou uma área pública para construir. O prefeito Fenelon chegou mas como nós já morávamos ali, ele não quis estar tirando alguém, mudando de lugar. Não temos área para construir essas coisas. O bairro ficou muito pequeno e não tinha como fazer. Tem muitas coisas que nós não temos em Taquaralto porque não tem espaço. 

CT- E o asfalto?

Taquaralto é toda no asfalto e toda iluminada. A gente fala em carência mas é porque não tem como fazer. Eu até cobrei do prefeito uma área para fazermos a Associação nossa e o prefeito disse para nós procurar uma área que desse para fazer mas não tem, Taquaralto não tem. E aí tem que ficar do jeito que está porque não tem como mudar.

CT- O que a atual gestão realizou em benefício do bairro?

VN- O prefeito Carlos Amastha em Taquaralto não tem quase o que fazer. Quando ele chegou já tinha a praça, asfalto, iluminação, o benefício que ele está trazendo é a rede de esgoto. Não tem outro benefício do prefeito a não ser isso porque também não tem o que fazer, Taquaralto é muito pequeno. Mas nós temos asfalto, iluminação. 

CT- Como que o senhor analisa a gestão atual?

VN- Como essa rede de esgoto é de muita importância para nós, acho que a gestão dele está ótima. As pessoas falam que ele tem plantado muita grama e que não se come grama mas para mim é a limpeza da cidade e estou achando ótimo. 

CT- Qual a visão futura que o senhor tem de Taquaralto?

VN- Para Taquaralto é só a rede de esgoto porque qualquer outra coisa que quisesse fazer hoje lá não podia fazer porque não tem área pública. Ele (a gestão de Amastha) trazendo o benefício do esgoto ficaremos muito agradecidos porque é de grande importância para nós. 

CT- O que falta para Taquaralto ser o setor dos sonhos?

VN- A rede de esgoto porque o resto nós temos. Essas gestões que tiveram com Fenelon, Eduardo Siqueira, Odir Rocha, Nilmar, eles não deram muita importância para Taquaralto. Não teve de ter uma feira coberta, uma delegacia, um hospital porque Taquaralto é o bairro mais velho da nossa Capital e ninguém nunca viu isso. Todo gestor que entra ele não vê isso. Foram tirando, tirando. O carnaval que era em Taquaralto eles tiraram, o Arraiá da Capital diz que esse ano vão tirar também e vão levar para Palmas então foram tirando e a população esquecida. Mas não foi essa gestão agora, não foi a gestão de Amastha. Só o arraiá que esse ano estão dizendo que vão levar para Palmas mas não tenho certeza. Ele não tem o que fazer, fazer nada porque não tem área pública em Taquaralto. 

Confira aqui todas as matérias Especial Palmas 26 Anos