Estado

Foto: Fernando Alves Meire Carreira, secretária do Meio Ambiente Meire Carreira, secretária do Meio Ambiente

O governador Marcelo Miranda, a secretária do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Meire Carreira, e o diretor de Regulação Ambiental, Rubens Brito, participam na Catalunha, Espanha, da Reunião da Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas - GCF. O evento acontece entre os dias 15 e 18 de junho e é uma oportunidade única de avançar nos compromissos firmados com o GCF entre os 26 estados e províncias do Brasil, Indonésia, México, Nigéria, Peru, Espanha e Estados Unidos. O principal objetivo da reunião é construir robustos programas jurisdicionais para proteger as florestas e o clima.

O encontro anual é um intercâmbio de experiências entre os países e uma das políticas do GCF, que une força tarefa subnacional estabelecida com base em um memorando de entendimentos, assinado em 2008, que fornece a base para a cooperação em inúmeros assuntos relacionados à política climática, financiamento, troca de tecnologia e pesquisa.

O GCF é uma aliança subnacional entre os países para desenvolver os elementos centrais e as capacidades necessárias para construir programas jurisdicionais de REDD+ e desenvolvimento de baixas emissões. Além disso, o GCF trabalha ainda para ligar estes programas a regimes obrigatórios emergentes de gases de efeito estufa (GEE) e outras oportunidades de pagamento por performance, afim de incluí-las em agendas nacionais mais amplas sobre o desenvolvimento rural de baixas emissões e promover alinhamento com processos políticos nacionais e internacionais.

Meire Carreira, ressalta a relevância da participação do Governo do Estado no evento. “A participação do Tocantins é muito importante para que possamos estabelecer contatos e trocar experiências subnacionais com os demais integrantes dessa Força Tarefa de Governadores frente à política em REDD+”, afirma.

Meire esclarece ainda que “os estados que compõem esta aliança têm realizado esforços para reduzir o desmatamento ilegal e as emissões oriundas das mudanças de uso da terra, como também os esforços individuais de produtores rurais, comunidades tradicionais e povos indígenas de nossa região amazônica. Atingir as metas de redução custa caro e os estados, incluindo o Tocantins, têm pagado essa conta quase que unicamente com orçamento do governo. Por outro lado existem recursos financeiros de fundos internacionais e nacionais que podem ser obtidos por meio do sistema REDD+”, destaca.

“Durante a Reunião teremos a oportunidade de apresentar nosso potencial de ativos ambientais a fundos de investimento, União Européia, setor privado entre outros, para identificação desses fluxos financeiros que são tão necessários para o fortalecimento das políticas ambientais do nosso estado”, conclui.

Missão

A reunião do GCF tem como missão servir como plataforma para colaboração e criação de novas parcerias com jurisdições europeias, setor privado, sociedade civil, povos indígenas e instituições financeiras, além de criar oportunidades de aprendizado sobre histórias subnacionais bem sucedidas e traçar caminhos futuros. A Reunião vai ser um catalizador para unir iniciativas subnacionais em uma voz comum, em direção à COP 21 da UNFCCC (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, que acontece em novembro deste ano em Paris, França).

Política de REDD+

A política de REDD+ é um incentivo desenvolvido no âmbito das Nações Unidas sobre mudança do clima para recompensar financeiramente países em desenvolvimento por seus resultados no combate ao desmatamento e à degradação florestal e na promoção do aumento de cobertura florestal.