Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado Olyntho Neto (PSDB) entra para a história do legislativo estadual nesta quinta-feira, 18, como o deputado mais jovem a presidir sessão no plenário da Assembléia Legislativa do Estado, nas últimas três legislaturas. Antes, porém, ele fez pronunciamento demonstrando sua preocupação com a greve dos servidores do quadro geral do Estado e com as manifestações por mais segurança em Araguaína.

Sobre a greve, Olyntho pediu agilidade na apreciação do Projeto de Lei enviado pelo governo do Estado, que prevê a concessão de reajuste de 8,3407% da data-base em duas vezes. “Não se trata de apenas defender os direitos dos servidores do Executivo, mas de defender também os direitos da população de ter acesso a serviços públicos que ficam comprometidos com a greve geral”, declarou Olyntho.

Olyntho fez um apelo aos parlamentares demonstrando sua preocupação com a possibilidade de rejeição do Projeto de Lei enviado pelo governo do Estado, que prevê a concessão de reajuste de 8,3407% da data-base em duas vezes.

“Peço que não rejeitemos a matéria e façamos as emendas necessárias para que seja aprovada, pois não podemos deixar os servidores sem os seus direitos garantidos nem conviver com serviço público paralisado” ressaltou o Deputado.

Olyntho defende discussão 

Além de discutirem o impasse da greve dos servidores do quadro geral do Estado, os parlamentares também debateram a segurança pública no município de Araguaína, assunto que tem provocado atos de manifestação e reivindicações junto ao governo do Estado.

Olyntho falou da gravidade do assunto e defende que o Governo e deputados discutam ações em conjunto para atender a população. “Mais de 2 mil cidadãos  foram às ruas reivindicar mais segurança em Araguaína, uma vez que é preocupante o aumento da violência e criminalidade na cidade” lembrou o deputado completando que já entrou em contato com o Comando Geral da PM e com representantes do Governo em busca de garantir ações concretas para resolver o problema.

“Precisamos de ações objetivas e efetivas”, alertou Olyntho, acrescentando que “é preciso sair do discurso e encontrar soluções em defesa do povo tocantinense que espera o melhor de nós”, concluiu.