Polí­tica

Foto: Divulgação

A filiação do ex-prefeito de Palmas, Raul Filho no PR movimenta os bastidores da política palmense e repercutiu principalmente na base do atual prefeito Carlos Amastha (PSB).

Raul está articulando com outros nomes da oposição que também estão de olho na Prefeitura de Palmas como o ex-deputado e presidente estadual do PV, Marcelo Lelis. Ao Conexão Tocantins, Lelis confirmou o contato e disse até que Raul o convidou para o evento de filiação. “Fui convidado  e estamos dialogando. Nós do PV vamos fazer discussão interna. O diálogo com outras forças políticas é um procedimento padrão e conversarmos com a oposição. Existe um diálogo”, confirmou. Lelis está visitando diariamente bairros da capital já ouvindo a população e também se movimentando para as eleições do próximo ano.

O vereador da base do prefeito e que também foi aliado da gestão de Raul, Milton Neris disse ao Conexão Tocantins que já está de saída confirmada do PR para o PL, ainda em formação. “Sou aliado do prefeito Amastha mas não tenho nada contra o Raul, estou esperando o registro do PL para ingressar no partido”, confirmou.

O parlamentar diz ver com naturalidade a pretensão de Raul à prefeitura. “Politicamente estou com o projeto Amastha, tenho compromisso com reeleição dele mas vejo com naturalidade”,disse.

Neris saiu na defesa da atual gestão e disse não se incomodar com as críticas como grupo da oposição. “A Cidade está organizada, crescendo está tendo uma gestão responsável”,afirmou.

O líder de Amastha na Câmara, José do Lago Folha Filho (PTN) também disse que a movimentação da oposição não incomoda a base.  “Acho muito natural esse é um momento é propicio para políticos se agregarem em partidos. O Raul é ex-prefeito da capital e considero um forte candidato só que meu grupo político é o do prefeito Amastha vamos disputar com qualquer um que vier”, disse.

Folha chegou a fazer um desafio: “Queremos enfrentar é candidatos fortes mesmo! O povo é que está pedindo a reeleição do prefeito Amastha e está avaliando bem a gestão. Mais quatro anos para o Amastha ainda é pouco. Eles tem é que montarem grupo forte mesmo para disputar com a gente porque queremos ganhar é de candidato forte mesmo”, voltou a provocar.