Palmas

Foto: Divulgação

Em reunião nesta última quinta-feira, 6, os professores, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet), representantes da Prefeitura Palmas e o vereador professor Júnior Geo (Pros) reuniram-se para discutir a substituição de professores de magistério por monitores. Na ocasião, os representantes da prefeitura apresentaram a situação do município no que se refere à educação e os professores, por sua vez, mostraram suas dificuldades e indignações com o projeto. 

Todos os presentes se posicionaram sobre o assunto. O vereador Júnior Geo manifestou insatisfação com o tratamento dado a educação. “Infelizmente, a educação é vista apenas como um número por parte da gestão”, afirmou Geo. O vereador citou também uma conversa por telefone em que o secretário da educação afirmava a aceitação do Sindicato, enquanto ele em nota já havia se posicionado contra. 

O parlamentar ressaltou a necessidade de um sindicato forte e representativo. Segundo ele, por meio da entidade é possível se mobilizar, ter uma representação adequada em uma ação judicial e evitar que ações como essa os atropelem. Falou também sobre a importância dos professores para o desenvolvimento de uma educação com seriedade. “Nós estamos aqui reunidos porque não viemos apenas limpar bumbum de neném, nós viemos fazer a higienização de uma criança para evitar que essa venha a adoecer”, disse Júnior. 

O diretor do Sintet, Rodrigo Mota, lamentou a desvalorização dos profissionais da educação devidamente habilitados. “Isso é claramente um rebaixamento do nível da atuação do trabalhador, porque você deixa a entender para a sociedade que não está valorizando a formação do indivíduo”, enfatizou Rodrigo. Para o diretor, há a necessidade de um enfrentamento ao Poder Executivo e de mostrar para a sociedade que é um equívoco, um erro no que foi proposto com o projeto neste formato.