Palmas

Foto: Valério Zelaya

Alguns feirantes que trabalham semanalmente nas feiras do Distrito de Taquaruçu em Palmas estão insatisfeitos com a seleção para comercializarem durante o Festival Gastronômico promovido pela prefeitura da cidade. O grupo fará um abaixo-assinado segundo anunciou na tribuna da Assembleia Legislativa o deputado Wanderlei Barbosa (SD). O 9º Festival Gastronômico de Taquaruçu acontecerá nos dias 04 a 08 de setembro, no distrito de Taquaruçu.

Conforme relatado, os feirantes estão indignados em razão de somente 10% terem sido selecionados para trabalharem no festival. “De todos os escolhidos menos de 10% das pessoas que vendem em Taquaruçu foram escolhidos na época do evento. Eu pergunto: porque as pessoas ali que estão todos os sábados não tem a oportunidade na qual o público vai por dois ou três dias porque não terão a chance e oportunidade e comercializar os produtos? A prefeitura exclui as pessoas que realmente precisam”, afirmou o parlamentar.

O evento que tem como objetivo a valorização dos ingredientes culinários regionais e a criatividade na elaboração dos pratos, neste ano foi incluída a participação do júri popular. Os vencedores desta edição levarão o prêmio de até R$ 5 mil.

Barbosa fez uma solicitação ao defensor da Prefeitura de Palmas, deputado Ricardo Ayres (PSB) para que interceda junto ao Paço com relação ao assunto. “ O Festival gastronômico discrimina os que trabalham no distrito todos os sábados e domingos. Gostaria que a prefeitura repensasse esse princípio”, pediu.

Outra crítica

O parlamentar também chegou a afirmar ainda que a Prefeitura vai demitir 500 servidores que ganham em torno de um salário mínimo na área de serviços gerais na Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos. No último dia 14 foi publicado do Diário Oficial de Palmas a rescisão de 340 deles. “Vão demitir 500 pais de famílias em Palmas. É uma estratégia, o Amastha trabalha para ficar bem no primeiro semestre, no segundo semestre o orçamento acaba e o Marcílio vai embora deixando os problemas”, disse ao citar o ex-secretário de Infraestrutura Marcílio Ávila que estava em licença. (Matéria atualizada às 09h03 do dia 21/08/2015)