Saúde

Foto: Heitor Iglesias  O serviço será retomado em Araguaína tão logo sejam atendidos os critérios da Vigilância Sanitária Estadual e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O serviço será retomado em Araguaína tão logo sejam atendidos os critérios da Vigilância Sanitária Estadual e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), garantiu a continuidade de tratamento de radioterapia para pacientes oncológicos que recebiam atendimento em Araguaína e que serão, ainda esta semana, encaminhados para Imperatriz (MA). O tratamento terá continuidade no Centro de Prevenção e Tratamento de Câncer (Oncoradium), com despesas de transporte e hospedagem custeados pelo Estado, após a suspensão temporária dos serviços em Araguaína. 

Nesta segunda-feira, 17, o secretário de Estado da Saúde, Samuel Braga Bonilha, acompanhado de técnicos da Sesau, esteve em Araguaína e Imperatriz para finalizar detalhes da transferência dos pacientes. Segundo Bonilha todos os esforços estão sendo feitos para minimizar os danos aos pacientes e garantir a continuidade dos tratamentos. “É obrigação do Estado garantir um atendimento adequado para os pacientes até que seja solucionados o problema do equipamento de radioterapia em Araguaína, e isso está sendo providenciado. No sábado, 15, já havíamos informado para os pacientes que a continuidade do tratamento seria realizado em Imperatriz e que nenhum paciente seria prejudicado”, disse Bonilha.

Entenda

O serviço de radioterapia em Araguaína foi interrompido por uma pendência junto a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) relativa ao processo de importação do acelerador linear, máquina utilizada no procedimento de radioterapia. 

Segundo o superintendente de Assuntos Jurídicos da Sesau, Pablo Vinícius Félix de Araújo, com a interdição temporária do equipamento, o Instituto Oncológico Ltda, empresa responsável pelo serviço de radioterapia, já foi notificado para que sejam mantidos os atendimentos dos pacientes e apresentados os documentos necessários para sanar as pendências e liberação do equipamento que fica em Araguaína, mas até o momento a empresa não se manifestou sobre o assunto. 

O serviço será retomado em Araguaína tão logo sejam atendidos os critérios da Vigilância Sanitária Estadual e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). (Ascom Sesau)