Saúde

Foto: Divulgação

A taxa de mortalidade por sepse, conhecida como infecção generalizada, no Brasil ainda é muito elevada. De acordo com o Instituto Latino Americano da Sepse (Ilas) o Brasil possui índices que podem chegar a 55% de pacientes com infecção generalizada nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).

Sabendo da importância do trabalho de prevenção e conscientização, o Hospital Geral de Palmas (HGP) está inserido no Programa Nacional de Combate a Sepse. Segundo o coordenador do pronto socorro do HGP, o médico intensivista e cardiologista Wallace André, com a implementação do protocolo do Ilas na unidade houve uma mobilização para combater esse problema que aflige a população.

O coordenador explica que dos pacientes admitidos com infecção generalizada na unidade, 20% apresentaram choque séptico (condição grave que ocorre em decorrência da infecção e traz risco de vida) e 80% infecção grave. “O objetivo de diagnosticar precocemente a síndrome é evitar que o paciente com infecção grave evolua para o choque séptico, porque assim não será necessário que este fique internado na UTI, evitando que vá a óbito e permitindo que ele volte para casa”, explica.

Com essas medidas, segundo o coordenador, podem ser diminuídos os custos operacionais de tratamento com o paciente que não terá que ser internado na UTI em longa permanência, fazer hemodiálise e utilizar antibióticos fortes, por exemplo. “Conscientizar a população para esse grave problema que ocorre no mundo todo é muito importante, pois a sepse tem taxas elevadas de mortalidade e o programa de gerenciamento implementado no HGP tem sido positivo, colaborado para a redução das mortes e aumentado a sobrevida de pacientes doentes para que voltem para seus lares”, alerta o coordenador.

Profissionais recebem orientações

O grupo de sepse do HGP tem realizado treinamentos com profissionais de saúde da unidade, com o objetivo de reforçar os registros e notificações de pacientes e intensificar as práticas que já são implantadas no hospital.

A enfermeira Amanda Priscila Gomes, que faz parte do grupo, é uma das responsáveis por ministrar os treinamentos e conta que atualizar os profissionais envolvidos na assistência ao paciente é indispensável. “É importante que tenham conhecimento do diagnóstico e tratamento precoce, já que a cada segundo alguém morre por infecção no mundo”, afirma.

No pronto socorro do HGP, trabalha a enfermeira Adriana Costa. Ela tem participado dos treinamentos e conta que tem esclarecido muitas dúvidas a cerca dos diagnósticos e tratamento. “Como profissional, me sinto privilegiada em contribuir com a recuperação de nossos pacientes e os treinamentos têm incentivado a me qualificar mais sobre o assunto”, disse.

Sepse

A Sepse ou septicemia é uma doença fatal que pode ocorrer quando o corpo reage a uma infecção, com uma série de reações que possibilitam a inflamação generalizada e coagulação do sangue.

Ação alusiva ao Dia Mundial da Sepse

Nesta sexta-feira, dia 11, em alusão ao Dia Mundial da Sepse, lembrado no próximo dia 13, o grupo de sepse do HGP promove ação de mobilização na unidade com distribuição de panfletos explicativos para profissionais de saúde, pacientes e acompanhantes, no intuito de conscientizá-los sobre o problema.

O grupo percorrerá locais de circulação a partir das 8 horas.