Bastidores

Foto: Divulgação

Nessa segunda-feira, 28, durante mais uma edição das audiência do Plano Plurianual para os próximos quatro anos os discursos dos chefes dos poderes chamaram atenção pela cordialidade e principalmente pela demonstração de união. Todos abordaram o momento de crise vivido pelo País e reconheceram que as dificuldades atingem todos os poderes.

O responsável por abrir as falas foi o prefeito da cidade, José Santana (PT) que ressaltou o fato da questão institucional estar acima das questões políticas. Depois, o titular da Defensoria Pública, Marlon Amorim elogiou o trabalho do governo com relação a ouvir a população para o PPA. Em tom conciliatório ele afirmou que não há como a Defensoria não apoiar uma ação dessa feita pelo Executivo.

Por sua vez, o procurador Geral de Justiça, Clenan Renaut também compartilhou do mesmo tom. Segundo ele, o Ministério Público não quer ser só punitivo e sim parceiro para a boa gestão dos recursos públicos. Segundo ele, quando os gestores executam bem os recursos públicos o MPE acompanha e apoia. Renaut chegou a admitir que o governo, através do secretário de planejamento Davi Torres, tem contribuído com o MPE. 

O chefe do poder Legislativo, deputado estadual Osíres Damaso (Democratas) tem cada dia ficado mais próximo das ações do governo. Segundo ele, o momento exige união das forças pelo Estado acima de qualquer questão política. “Estamos prontos para votarmos o que for escolhido pela população”, disse.

Num longo discurso que contou com manifestações de apoio da plateia presente, o governador Marcelo Miranda (PMDB) falou abertamente sobre as dificuldades e garantiu: “mesmo com a situação que encontramos esse Estado estamos olhando para frente”, disse ao ser aplaudido. Por várias vezes ele elogiou os discursos dos chefes de poderes os quais definiu como "estadistas". Marcelo falou ainda que é o governador dos 139 municípios e que não há espaço para rusgas partidárias. “ Deixemos o lado partidário para as próximas eleições, sou governador de todos os 139 municípios sem distinção”, frisou.

Num certo momento em sua fala o governador falou no fim do paternalismo nos governos do Estado. “Sou o governador dos 139 municípios, está nas nossas mãos o destino do Estado, a educação dos nossos filhos, a saúde que a população precisa, a segurança pública do nosso povo, é preciso o fim do paternalismo nos estados e nesse país”, disse.

Marcelo Miranda deixou claro: “O momento é de agregar e unir forças”, disse. Na cidade do adversários político das últimas eleições, Sandoval Cardoso o governador ainda lembrou que recebeu o Estado sem orçamento. “ Nem orçamento deixaram, trabalhamos três meses com 1/12 avos”, relembrou.

O governador falou ainda de boas expectativas e falou do esforço para a liberação de R$ 300 milhões do Banco Mundial para recuperar as rodovias.