Polí­tica

Foto: Divulgação

O ano vai chegando ao fim e já mostra um cenário polarizado para as eleições do próximo ano. Além do prefeito de Palmas, Carlos Amastha que buscará reeleição pelo PSB, já lançaram pré-candidaturas: do Solidariedade, Wanderlei Barbosa, do PR, Raul Filho; do PV, Marcelo Lelis, do PTB, Eduardo Siqueira Campos; o deputado federal Carlos Gaguim (PMDB) e ainda com ida certa para o PSDB, Luana Ribeiro. Com pretensão também declarada há o ex-deputado e presidente do Pros no Tocantins, Sargento Aragão.

O clima político está tão polarizado que o prefeito Carlos Amastha abriu fogo contra os adversários nos últimos meses e chegou a acusá-los inclusive de provocar queimadas e sujeira na cidade para segundo ele, “sabotar” a gestão. O gestor também chegou a chamar os opositores de “bandidos”.

Por outro lado a oposição reforçou as críticas e questionamentos contra as últimas ações da Prefeitura de Palmas e principalmente com relação às obras do BRT  (Bus Rapid Transit), com licitação questionada pelo Ministério Público Federal, e aos Jogos Mundiais Indígenas.

Assim como a Câmara de Vereadores de Palmas, a Assembleia Legislativa tem sido palco das críticas. O deputado Wanderlei Barbosa, pré-candidato do SD, tem feito várias críticas e acusou inclusive o Paço de ter uma “quadrilha” montada para saquear os cofres públicos. Ao Conexão Tocantins ele afirmou que colocou seu nome para a disputa do próximo ano e que aguarda as composições partidárias.

Do PV, Marcelo Lelis ainda tenta reverter a inelegibilidade no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) porém tem se movimentado pela capital e já avisou que vai intensificar as visitas e articulações visando o pleito do próximo ano. Lelis já disputou duas vezes a Prefeitura de Palmas porém não obteve êxito. Ele afirmou ao Conexão Tocantins que vai trabalhar para conseguir o apoio do Governo do Estado e admitiu: “minha ligação com Palmas é muito forte”, disse.

O peemedebista Carlos Gaguim também não esconde a pretensão. O parlamentar disse que conta com apoio da senadora e ministra Katia Abreu (PMDB) e aguarda aval do partido para avaliar se será candidato ou não. Outro nome de olho também na prefeitura é o ex-deputado estadual Sargento Aragão que defende a união do grupo da oposição em torno de um só nome.

Incógnita

Ex-prefeito da capital e atualmente o deputado estadual, Eduardo Siqueira Campos questionado pelo Conexão Tocantins se pode colocar o nome na disputa, disse que está 100% apto e que quer discutir o processo. Para o parlamentar a capital precisa da construção do Hospital de Urgência e com relação a possível apoio à reeleição do prefeito Carlos Amastha (PSB), segundo ele, ainda é preciso discutir vários detalhes. “Ninguém vai votar em vice para ser prefeito”, apontou sobre a possibilidade de Amastha, caso seja reeleito, deixar o cargo para disputar em 2018, abrindo espaço para seu futuro vice.