Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado Federal Vicentinho Júnior (PSB-TO), em seu pronunciamento na Câmara Federal, nessa quinta-feira, 15, pediu ao prefeito de Palmas, Carlos Amastha, no dia em que se comemora o Dia dos Professores que tenha mais respeito a greve da classe.

“Não sensibilizado com o dia em que se comemora o Dia do Professor, os professores do ensino municipal estão em greve já faz algum tempo, reivindicando direitos constituídos, absolutos à categoria e à profissão -, ontem, ele deu um gesto de carinho aos professores municipais: mandou prender o líder da greve, Presidente do SINTET, Sr. Joelson Pereira, e aplicou uma multa diária de quase 100 mil reais, a ser paga pelos nossos honrosos professores da Rede Municipal de Palmas.

Que coisa foi essa, meu Prefeito? Tenha juízo, tenha bom senso e cuide, sim, dos nossos professores da Capital, Palmas!”, protestou Vicentinho Júnior. O deputado questionou se esta multa aplicada aos professores seria para pagar o aditivo que o prefeito licitou para os Jogos Mundiais Indígenas. “Não bastam os recursos de quase 100 milhões de reais aplicados pelo Governo Federal para os jogos, ainda licitou mais 2 milhões de reais em aditivos que, até agora, eu não entendo para qual finalidade”, indagou.

Vicentinho Júnior ainda agradeceu à Mesa por ter tirado a votação da PEC 395 no Dia dos Professores, que especifica que o ensino superior na rede pública será gratuito apenas nos cursos regulares de graduação, mestrado e doutorado. “Isso seria um crime cometido, porque entendo que a PEC 395 nada mais é do que o começo da privatização do ensino público no Brasil.
Espero que, na quarta-feira, este Plenário possa dar, mais uma vez, alegria aos nossos alunos que precisam do ensino público gratuito para que tenham acesso a um ensino de qualidade, mas como sempre primar pela criação das faculdades federais no Brasil, que é o ensino gratuito a quem de fato precisa”, disse.

Na oportunidade, Vicentinho Júnior, finalizou com uma homenagem à avó materna, D. Mirtes Alves, professora há 30 anos, no Município de Porto Nacional, em Tocantins.

“De lá, já saíram muitos doutores, advogados, médicos, enfim, muitos cidadãos de bem já passaram pelos ensinamentos dela. Eu tenho orgulho de ser neto de uma professora honrosa”, disse o parlamentar.