Campo

Foto: Lenito Abreu

A declaração da vacinação contra a febre aftosa é obrigatória e encerra no dia 10 de dezembro. O produtor rural que ainda não comprovou a vacinação deve dirigir-se em dias úteis a unidade da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), onde movimenta sua ficha cadastral, munido da nota fiscal da compra vacina e da Carta-aviso, contendo os dados do rebanho por faixa etária e sexo. Nesta etapa, a meta é vacinar cerca de quatro milhões de bovinos e bubalinos com até 24 meses de idade. 

De acordo com o presidente da Adapec, Humberto Camelo, para validar a vacinação é necessário que o produtor faça a declaração para evitar multas e impedimento na movimentação do rebanho. “A atualização de dados tem fundamental importância na politica de defesa agropecuária, pois é por meio dela que definimos as ações de controle, combate e prevenção de enfermidades” destaca.

Mesmo os produtores rurais que não têm animais em idade vacinal devem, obrigatoriamente, procurar a Adapec para informar todos os animais existentes na propriedade rural. “Após encerrar o prazo para declaração da vacina levantaremos os casos em que houve omissão”, disse o responsável técnico pelo Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa, José Pereira Veloso Júnior, acrescentando que o produtor poderá ser multado em R$ 5,32 por animal não vacinado e R$ 127,69 por propriedade não declarada.

A segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa ocorreu de 1º a 30 de novembro. O balanço final do índice vacinal deve ser divulgado depois do encerramento do prazo para comprovação da vacinação.

Rebanho

De acordo com os dados da 1ª da campanha realizada em maio deste ano, o Tocantins possui um rebanho 8.185.721 de bovinos e bubalinos. Nesta campanha a cobertura vacinal alcançou 99,26% destes animais, um índice bem acima da meta estipulada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que é de 90%.