Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual Wanderlei Barbosa (SD) utilizou a tribuna na manhã desta quinta-feira, 17, para demonstrar a preocupação com os impactos da seca principalmente na região sudeste do Tocantins.

O parlamentar citou um recente estudo realizado pelo Ipepe, encomendado pela Associação Tocantinense de Municípios (ATM), entre os dias 10 de novembro a 05 de dezembro com 22 prefeitos da região Sudeste do Estado, em que revelou o avanço da seca na região. “É preciso que a autoridades tocantinenses observem a questão!”, disse.

De acordo com os dados, 83,36% dos gestores municipais garantem que seus municípios foram afetados diretamente este ano, contra 9,09% que afirmaram que sofreram mais ou menos e 4,55% que disseram que os municípios administrados por eles não tiveram problemas decorrentes da falta de chuvas. Todavia, dos que disseram que enfrentaram problemas de estiagem, 77, 27% informaram que a falta de chuvas é um fenômeno de muitos anos, ante 22,73% que declararam que o problema é recente.

A preocupação dos gestores identificaram que a cada ano esses impactos vem aumentando, foi identificado que apenas 3 a 4 meses do ano chove e o restante é seca. “Se não tiver uma ação do governo por intermédio do governo federal buscando diminuir esses impactos, seguramente a população do sudeste vai sofrer muito", frisou.

O deputado falou dos animais mortos as margens da pista desses municípios devido a seca, além do sofrimento da população com a falta de água.

Wanderlei Barbosa pede apoio também dos parlamentares junto ao governo do estado para a busca de providências para diminuir o impacto na região sudeste do Tocantins. Cobra do governo a instalação de cisternas na região, de caixas de água e construção de represas, que seriam instrumentos para amenizar a situação.

Na oportunidade, parabeniza a ATM em nome do presidente, o prefeito de Brasilândia João Emídio de Miranda que esta fazendo este trabalho em nome dos demais prefeitos que ele representa.

O deputado disse ainda que é preocupante os dados da pesquisa que assola os municípios do sudeste do estado e se compromete a discutir o tema por meio de audiências públicas ouvindo à população , os prefeitos da região e identificar caminhos que possam diminuir os impactos nesses importantes municípios do sudeste do Estado.

O estudo que identifica os impactos da seca foi coordenado pelo diretor do Ipepe, jornalista Goianyr Barbosa, e ouviu 22 gestores dos seguintes municípios: Almas, Arraias, Aurora, Brejinho de Nazaré, Chapada da Natividade, Conceição do Tocantins, Dianópolis, Ipueiras, Jaú, Lavandeira, Monte do Carmo, Natividade, Paranã, Pindorama, Ponte Alta do Bom Jesus, Porto Alegre, Rio da Conceição, Santa Rosa, São Salvador, São Valério, Taguatinga e Taipas.