Economia

Foto: Divulgação

Em 2015 mais de 85 mil trabalhadores perderam o emprego no Tocantins. O número alto de desligamentos gerou um saldo negativo de 2,02 mil postos de trabalho a menos no final do ano. Isso porque o número de contratações não passou de 83,2 mil. No comparativo, o ano passado foi o pior para o emprego no estado desde 2002.

Os números são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e levam em consideração os dados de janeiro a dezembro de 2015.

De acordo com o levantamento do ministério, os setores de atividades que mais contribuíram para esta redução foram a Construção Civil, que acumulou perda de 2.828 postos e o Comércio, com saldo negativo de 510 vagas. Os desligamentos foram tantos nessas duas áreas da economia que os saldos negativos mais que compensaram o aumento ocorrido no setor de Serviços, que registrou 923 novos postos de trabalhado com carteira assinada.

Dezembro

O ano passado registrou índices negativos ao longo de vários meses. Em dezembro, por exemplo, foram 2.077 vagas a menos no mercado. Se por um lado, no último mês do ano, os empresários contrataram 3,7 mil pessoas, por outro foram desligados 5,8 mil trabalhadores.

A justificativa do MTE é que, em dezembro, “por razões sazonais que marcam a série do Caged (entressafra agrícola, férias escolares, período de chuvas, término das festas no final do ano), que permeiam quase todos os setores/subsetores verificou-se declínio de 1,18% no nível de emprego”.

Ainda segundo o documento divulgado ontem, esse resultado decorreu da queda em quase todos os setores, com destaque para os Serviços, que perderam 669 postos de trabalho e a Construção Civil, com 601 vagas a menos.

No último mês de 2015, nenhum dos setores pesquisados – nem mesmo a Administração Pública, que zerou o saldo – registrou números positivos no Caged. Já no acumulado do ano, além dos Serviços, Agropecuária (385), Indústria de Transformação (231), Serviços Industriais (122) e Administração Pública (80) registraram resultados positivos.

Municípios

Entre os municípios tocantinenses com mais de 30 mil habitantes, embora com números baixos, apenas Araguatins (11 vagas) e Colinas do Tocantins (9) registraram saldo positivo em dezembro passado.

Já Gurupi (-56), Paraíso do Tocantins (-160), Araguaína (-197), Porto Nacional (-296) e Palmas (-717) acumularam perdas no número de postos de trabalho disponíveis.

Brasil

Embora tenha apresentado o pior índice em 13 anos, o Tocantins ainda conseguiu ficar bem posicionado no ranking nacional de perdas de postos de trabalho. As duas mil vagas a menos garantiram ao Estado o segundo lugar na lista, atrás apenas de Roraima, que tem saldo negativo de 384 trabalhadores.

No final da lista estão São Paulo, que perdeu quase meio milhão de vagas, Minas Gerais, com 196 mil postos de trabalho a menos e Rio de Janeiro, com saldo negativo de 183 vagas.

Em todo o País foram fechadas 1,5 milhão de vagas no ano passado, o pior resultado desde 1992, quando começou a série estatística do governo. É a primeira vez, desde 1999, em que as demissões superaram as contratações.

Por: Redação

Tags: Caged, Ministério do Trabalho