Saúde

Foto: Heitor Iglesias Secretário lembrou das responsabilidades de cada diretor dentro da unidade hospitalar Secretário lembrou das responsabilidades de cada diretor dentro da unidade hospitalar

Na primeira reunião com todos os titulares das áreas estrategistas das 19 unidades hospitalares do Estado, além de diretores técnicos e administrativos, o secretário de Estado da Saúde, Marcos Musafir, conclamou aos envolvidos na nova gestão da Saúde à união para o melhor atendimento à população.

“Estamos com foco na governança e como não poderia ser diferente, nossa primeira reunião estratégica tinha que ser com os diretores hospitalares. Nós vamos colocar diretrizes e lembrar que a responsabilidade de um diretor é enorme. O foco na eficiência e resultados significa, na prática, que os pacientes sejam bem atendidos e que os profissionais estejam fazendo a carga horária que eles recebem para cumprir. Temos que respeitar nosso cargo, nosso trabalho e principalmente aqueles que pagam nosso salário, que é o cidadão”, disse o secretário.

Abordando três pontos principais, gastos, escalas de plantões e racionalização de recursos, Musafir reforçou a responsabilidade dos diretores enquanto gestores e exigiu que os hospitais tenham escalas fechadas, principalmente no período de Carnaval. “Isso já é lei, qualquer despesa que venha para a secretaria é de responsabilidade do diretor, existe a responsabilidade legal, financeira e jurídica. Não podemos pactuar com coisas erradas porque daqui a algum tempo vamos responder por isso. E qualquer cidadão que, por ventura procure uma unidade hospitalar, e esta não tenha médico pode entrar em contato com a Ouvidoria da Secretaria Estadual da Saúde (Sesau) para denunciar, no 0800 6427 200. Não vamos permitir que não haja escalas dentro dos hospitais do Estado”, destacou.

O secretário ainda destacou que o Tocantins é o estado que mais investe na Saúde e que o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) adotado é referência para outros estados. “O plano do Tocantins é um sonho para os outros 25 estados e o Distrito Federal, mas é válido lembrar que não há saúde sem recurso financeiro. O orçamento da Saúde é de mais um R$ 1 bilhão, mas orçamento não quer dizer dinheiro e, sim, uma previsão. O total de 80% do recurso é para pagar pessoas”, lembrou.

Depois da apresentação, os diretores se dividiram em grupos onde elencaram os principais problemas de cada unidade e sugeriram soluções.

De acordo com o diretor do Hospital Regional de Alvorada (HRA), Sidoman Neves, o momento foi de extrema importância. “Ter contato direto com o secretário e ouvir diretrizes e sugestões é muito bom para que possamos desenvolver um melhor trabalho e reforçar a questão das escalas e a responsabilidade dos diretores é muito importante para que estejamos cientes e lembremos que temos responsabilidade com a função que estamos exercendo”, destacou.