Saúde

Foto: Heitor Iglesias

Aproximadamente 20 profissionais reuniram-se no Hospital Geral de Palmas (HGP) para darem continuidade ao projeto do Colegiado Gestor do Pronto Socorro, que foi implantado recentemente na unidade. O projeto conta com a participação de  profissionais do Pronto Socorro e segundo a diretora geral do HGP, Renata Duran, tem o objetivo de fortalecer algumas diretrizes que o Ministério da Saúde preconiza, sendo uma delas a gestão participativa dos trabalhadores. Ainda segundo a diretora, nesse modelo, os próprios servidores do PS vão poder contribuir e propor melhorias e resolução de problemas encontrados no local.

“São os servidores que identificam os problemas e propõem as soluções diante do próprio conhecimento que eles têm. É uma gestão participativa e um momento de integração entre as equipes. Identificamos o problema e vamos propor soluções”, explicou a diretora, acrescentando que “descentralizar o gerenciamento e fazer participação coletiva é uma conquista. Sair das quatro paredes e ampliar o nível de discussão e a contribuição que cada um percebe é inédito no Estado”.

Um dos apoiadores do Programa SOS Emergências, Giovanni Di Sarno, disse que a meta é ampliar o projeto e implantar colegiados gestores em outros setores da unidade. “Esse será um projeto piloto e pretendemos ampliar para o Centro Cirúrgico e Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital”, ressaltou. Ainda segundo ele, o Colegiado Gestor do Pronto Socorro abrange todas as classes de trabalhadores, desde serviços gerais até os serviços médicos.

Produto

Giovanni reforça também que essa foi a terceira reunião do colegiado e o grupo de profissionais já apresentou solução para um dos problemas que causava muita reclamação por parte dos usuários e pacientes do hospital: as visitas na sala amarela do Pronto Socorro. As visitas e o informativo aos familiares não eram bem definidos e serão, agora, organizados de forma sistematizada.

Contribuição dos servidores

A servidora Elizangêla Feitosa, que atua no setor de Serviço Gerais do Pronto Socorro há quatro anos,disse que esse será um passo importante para a resolução de problemas encontrados no setor.

“Eu trabalho há tanto tempo lá e tenho visto bastante coisa. Estou vendo o crescimento das atribuições de cada setor e as melhorias que estão acontecendo para os funcionários e pacientes. Eu acredito que minha experiência pode ajudar em todo o processo”, disse.

Já para a coordenadora da Psicologia do HGP, Carla Bono, o colegiado gestor era uma necessidade da unidade. “Percebemos que faltava a equipe assistencial para tomadas de decisões e acho que isso vem ao encontro da política do SUS, que é a gestão participativa, clínica ampliada, diretrizes em que a gestão se faz com a participação de todos. Vejo com muito bons olhos e acho que é um avanço muito grande”, comentou.