Palmas

Foto: Divulgação

O presidente da seccional tocantinense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-TO), Walter Ohofugi, se manifestou-se  na manhã deste sábado, 6, sobre a iniciativa da Comissão de Direitos Humanos da entidade de recomendar à Prefeitura de Palmas que contemple todas manifestações religiosas na programação do "Palmas capital da fé".

"Pessoalmente, sou favorável ao público alvo do evento. O prefeito Carlos Amastha e sua equipe tiveram uma ótima ideia. Dessa forma, o carnaval difere dos outros lugares mais tradicionais onde Palmas não conseguiria competir, contempla famílias, o que é  louvável, além do mais, com a crise da saúde e segurança pública por qual passamos, não aumenta a demanda para estes serviços públicos", disse.

Sobre a iniciativa da comissão, o presidente da Ordem disse que “deve se deixar claro que ela é independente  e se posicionou tecnicamente", disse.

Para Ohofugi, a recomendação da Comissão de Direitos Humanos deve ser levada em consideração sobre o pluralismo do evento que, de fato, deve contemplar outras manifestações religiosas. "Foi uma iniciativa que objetiva iniciar uma discussão sobre essa questão que é relevante. Para as próximas edições deve ser analisada essa situação e creio que o prefeito Amastha entende isso", disse.

Pluralidade política

Sobre declarações de simpatizantes do prefeito Amastha nas redes sociais em relação à ligação política do presidente da Comissão de Direitos Humanos, Edy César, o presidente Ohofugi afirmou que a Ordem contempla em seus quadros profissionais filiados ou até mesmo simpatizantes de várias siglas partidárias. "O profissional do Direito tem a liberdade e, creio, o dever de participar do processo político. É importante que todo o cidadão participe, pois é salutar para a democracia. Porém, é preciso deixar claro que isso não reflete na atuação e objetivos da comissão, que só delibera ações e iniciativas após consenso entre todos os integrantes. Temos entre os advogados,simpatizantes do prefeito Amastha, marcelistas, petistas , siqueiristas, enfim, das mais variadas correntes partidárias do Estado", declarou.

Ohofugi reafirmou que a atuação das comissões da OAB serão independentes. "Os simpatizantes das correntes partidárias vão ter que se acostumar com a atuação das comissões da OAB Tocantins, mas tenham certeza que será sempre independente e voltada para os interesses da população. Nosso partido é a Constituição Federal", concluiu.