Polí­tica

Foto: Divulgação

Uma reunião dos vereadores de Palmas com os representantes das diversas categorias de servidores públicos municipais deverá ocorrer em breve. O encontro foi solicitado pelo vereador Milton Neris (PR) à Mesa Diretora da Casa de Leis na sessão desta quinta-feira, 18. A intenção é discutir equiparação salarial, o que envolve as consequências da suspensão do auxílio alimentação que afetará cerca de 3 mil servidores por conta do teto delimitador do benefício, estipulado para quem recebe até R$ 1.600,00.

Na tribuna, Neris disse que já solicitou ao secretário de Planejamento e Gestão do Município, Alan Barbiero, a lista dos servidores que perderão o benefício do auxílio alimentação e ressaltou a necessidade de ouvir os sindicatos para um diagnóstico mais realista do impacto da suspensão auxílio entre as categorias.

Milton Neris enfatizou que defende a equiparação do auxílio alimentação e, se possível, estender o benefício para todos os servidores. “Acho que podemos fazer este esforço no orçamento”, disse.

O presidente da Câmara, Rogério Freitas (PMDB) frisou que o reajuste da data-base do funcionalismo, em 11%, vai prejudicar um grupo grande de servidores que terão suspenso o auxilio alimentação em decorrência do teto delimitador. “Vai tirar de mil servidores 70 reais de salário”, afirmou. Freitas ironizou denominando a situação de um “presente de grego” para os servidores e afirmou que a diretoria do legislativo municipal fará o convite aos sindicatos para a reunião com os vereadores.

Para Lúcio Campelo, o prejuízo ao funcionalismo municipal é fruto da política do pão e circo: “Você tira o pão do funcionalismo e faz uma gracinha”, disse, enquanto Carlos Braga (PMDB) lembrou a elevação do custo de manutenção das famílias por conta do aumento da cesta básica.