Polí­tica

Foto: Divulgação

Bandeiras, faixas, cartazes e entrega de panfletos fizeram parte do ato em Defesa da Democracia em Palmas-TO, nessa quinta-feira (31), que contou com a presença do senador Donizeti Nogueira (PT), do presidente do Partido dos Trabalhadores no Tocantins, Júlio César Brasil, da deputada estadual, Amália Santana, do deputado Zé Roberto, do deputado José Salomão, movimentos sociais, estudantes, populares e militantes de partidos de esquerda.

O senador petista afirmou que o ato acontece nessa data para lembrarmos um dos períodos mais perversos de nossa história, o Golpe Militar em 31 de março de 1964, e principalmente, para que não se repita. “Estamos aqui para dialogar com os trabalhadores e dizer que esse golpe não é contra a presidenta Dilma, é contra todo o povo brasileiro e os programas sociais que recuperaram a cidadania da população mais carente, como o Bolsa Família, o Prouni e o Fies, o Ciência Sem Fronteiras, o Luz para Todos e o Minha Casa Minha Vida. Esse golpe não vai se repetir porque a população não vai deixar e temos um congresso de homens e mulheres comprometidos e respeitosos com a constituição e com a democracia”, ressaltou.

O presidente do Partido dos Trabalhadores no Tocantins, falou que a importância do ato é defender a presidente Dilma e mostrar que estão prontos para o enfrentamento. “É para resistir a investida de golpe, onde a grande mídia e uma parte da direita vem com força contra o mandato da presidenta Dilma”, disse.

Muitos estudantes e professores marcaram presença no evento, entre eles, o professor de teatro Denis Casima que falou que sua presença no ato é para demonstrar apoio ao governo de esquerda que tem promovido políticas públicas em prol de melhorias e mais igualdade social. “O governo que luta para o povo e com o povo”, frisou.

A estudante secundarista Rossana Faustino Reis também criticou a investida de desapropriação da democracia. “Acho que todos deveriam defender a democracia, o que está acontecendo é uma tentativa de Golpe, que representa um retrocesso às várias conquistas realizadas por esse governo”, afirmou.