Polí­tica

Foto: Divulgação O vereador Júnior Geo ironizou dizendo que em Palmas se paga multa para pagar buffet caro O vereador Júnior Geo ironizou dizendo que em Palmas se paga multa para pagar buffet caro

Apesar do clima festivo por conta da posse do suplente de vereador, Felício Alves Costa (PTB), na Câmara de Palmas nesta quinta-feira, 7, os vereadores da oposição não deram trégua às denúncias e críticas contra a gestão municipal comandada pelo prefeito Carlos Amastha (PSB). Na mira dos parlamentares, desta vez, estão um processo licitatório da Secretaria de Comunicação para compra de faixas e painéis e o que chamam de indústria das multas de trânsito na Capital. 

O primeiro assunto veio à tona pelo vereador Lúcio Campelo (PR) que, com base em informação do Diário Oficial, detalhou processo licitatório no qual a Secretaria de Comunicação do Município está comprando 825 faixas de murim, um tipo de tecido, a R$ 120,00 o metro quadrado. “Estão comprando 100 mil reais de murim”, destacou Campelo, questionando o que a secretaria vai fazer com o tecido.

Além do murim, de acordo com o parlamentar, o processo prevê ainda a aquisição de 1.600 banners, 1.257 painéis, 1.437 adesivos para plotagem, além de painéis de PVC de 2 cm e lonas, uma despesa que Lúcio Campelo considera absurda tendo em vista que outras necessidades prioritárias da população não estão sendo sanadas.

O vereador citou a falta do medicamento dipirona nas Unidades de Pronto Atendimento, de combustível para abastecer ambulâncias e de merenda escolar adequada nas escolas como exemplos de ações que deveriam ser prioridade por atender demandas imediatas da população.

“Estão aqui comprando com o suor do povo palmense”, resumiu o vereador.

Blue e aluguel de radares

Logo em seguida, foi a vez de Milton Neris (PP) comentar sobre a política de arrecadação da administração municipal por meio da cobrança excessiva de impostos e multas, especialmente as relacionadas ao trânsito.

O vereador começou criticando a multa de R$ 127,00 para os motoristas que não pagarem o estacionamento rotativo à empresa Blue e questionou se são os fiscais de trânsito da prefeitura que ficarão responsáveis por aplicar as multas .

“Os amarelinhos é que vão cobrar para a Blue?”, perguntou Neris, enfatizando que a função dos fiscais é cuidar do trânsito da cidade e não aplicar e cobrar multa para empresa privada.

Neris também denunciou o que denominou de “Big Brother da Secretaria de Trânsito e Transportes”. De acordo com o parlamentar, há uma meta da secretaria de aumentar a arrecadação das multas de trânsito a fim de obter dinheiro para o pagamento dos diversos radares eletrônicos espalhados pelas ruas de Palmas.

Conforme Milton Neris, a meta é arrecadar R$ 15,6 milhões por ano para custear o aluguel dos radares que custam R$ 1,3 milhão por mês.  Com isso, os agentes de trânsito teriam intensificado à vigilância às infrações por vídeo monitoramento, aplicando multas até da sede da secretaria. “É uma fábrica de multa, a população não aguenta”, reclamou Neris. “Ande em Palmas e leve uma multa” .

O vereador afirmou que irá pedir os relatórios de arrecadação das multas dos últimos anos, para averiguar o que está acontecendo. “Eu vou desmascarar o que está por trás desta máquina de se fazer dinheiro à custas do povo de Palmas”, garantiu.

O vereador Júnior Geo (PROS) acrescentou: “Em Palmas se paga multa para pagar buffet caro”, disse, lembrando o processo no qual a Secretaria de Trânsito destinou  R$ 700 mil provenientes do pagamento de multa para pagamento de lanches.

O líder do prefeito na Câmara, José do Lago Folha Filho (PTN), no entanto, ressaltou que o  contrato do serviço de buffet foi cancelado.  “Não foi pago nenhum real Buffet com dinheiro das multas. Inclusive contrato foi cancelado”, frisou.

Felício Costa assume vaga

Em sessão solene, a Câmara Municipal de Palmas deu posse nesta quinta-feira, 7, ao suplente de vereador Felício Alves Costa (PTB). O parlamentar  passa a ocupar a vaga do vereador Etinho Nordeste (PPS), licenciado para tratamento médico.

Tocantinense do município de Goiatins, Felício Braga está em Palmas há 16 anos, desde o início assumindo a postura de militante social, defendendo especialmente o direito à moradia.

Na condição de um dos fundadores dos fundadores da Organização Popular pela Moradia (OPM), em seu primeiro discurso no parlamento Felício ressaltou as lutas e conquistas sociais, especialmente os avanços na garantia de moradia para famílias de baixa renda obtidos com a contribuição da Câmara Municipal de Palmas que estabeleceu no Plano Diretor da Capital áreas de interesse social para a habitação. “Isso se não fosse por esta Câmara não seria possível”, frisou.

Felício recebeu as boas vindas dos demais vereadores. Júnior Geo o parabenizou “por seu discurso, por sua história, por sua luta”, enquanto Claudemir Portugal (PPS) ressaltou a satisfação em receber Felício no parlamento. “A sua vontade de trbalhar vai somar muito”, afirmou Portugal.

Adão Índio (PSL) destacou o caráter pessoal do vereador empossado e Hiram Gomes (PSDB) e desejou a Felício “sucesso na sua permanência na bancada”.

A solenidade de posse contou com a presença do presidente regional do PTB, José Geraldo, que ressaltou a atuação de Felício em favor dos direitos da comunidade. Disse de Felício contribuirá “para uma vida melhor do povo palmense”.

Dia dos Jornalistas

A manhã também foi de homenagens para os jornalistas que acompanham a rotina do parlamento municipal. A Mesa Diretora da Câmara promoveu um café da manhã em comemoração Dia do Jornalista.

O presidente da Câmara, Rogério Freitas (PMDB) agradeceu aos profissionais da imprensa pela parceria com o parlamento, por divulgar as ações dos vereadores e por divulgar o trabalho da Câmara Municipal de Palmas entre a sociedade.