Polí­tica

Foto: Divulgação
 

O senador Ataídes Oliveira (PSDB) afirmou na manhã desta segunda-feira, 25, que a presidente do Brasil, Dilma Rousseff deve deixar o cargo em até duas semanas. Nesta tarde, no Senado, será definida a composição da comissão do impeachment na Casa. "Vamos tirar esse sapato que está machucando o pé do povo brasileiro em duas semanas", afirmou Ataídes, que é presidente estadual do PSDB no Tocantins. 

Na votação, segundo o parlamentar, a oposição já tem 56 votos, ou seja, ampla maioria (há 81 senadores no país) pelo afastamento de Dilma por 180 dias até que seja julgado o mérito da questão.

Ataídes defendeu que o governo de transição de Michel Temer trilhe dois caminhos para o desenvolvimento: o primeiro é cortar gastos e enxugar a máquina; o segundo, propor um pacto com a cadeia produtiva. "É imprescindível cortar gastos e enxugar a máquina pública. Depois, chamar para conversar os empresários e industriais, a cadeia produtiva do país: Devem sentar com eles e dizer: "O que vocês precisam para gerar emprego e renda?" Creio que eles vão dizer: reduzir juros. A taxa Selic, que hoje está em 14,25%, deve cair para 8,25% e o Brasil vai economizar em torno de R$ 310 bilhões. É o começo para resolver o problema do desemprego no país", comentou Ataídes Oliveira.

Para o senador Ataídes Oliveira, que é empresário, o ideal agora é "pensar num outro país". "Temos que pensar no país. Pensar no país com o PT no governo é impossível", criticou. Ele reafirmou que, além dos crimes pelos quais a presidente da República Dilma Rousseff está sendo julgada, o PT deixa um legado drástico para o Brasil. "A dívida atual, interna e externa, é de R$ 4 trilhões. Em 2003, era de R$ 852 bilhões, hoje é de R$ 4 trilhões. Eles quebraram o país", finalizou.