Campo

Foto: Delfino Miranda

O Governo do Estado e a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) lançam no sábado, 30 de abril, na fazenda Santa Tereza, município de Filadelfia, a primeira etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa. O período de vacinação do rebanho ocorre entre o dia 1º a 31 de maio, com a expectativa de vacinar aproximadamente 8,4 milhões de bovídeos (bovinos e bubalinos). O evento de abertura oficial da campanha será às 9 horas e contará com a presença do governador Marcelo Miranda.

O presidente da Adapec, Humberto Camelo, disse que a vacinação contra febre aftosa é a garantia da manutenção do status sanitário de zona livre da doença, o que permite o Estado exportar carne para mais de 100 países, inclusive aos Estados Unidos. “O produtor rural tocantinense já sabe da importância de vacinar o seu rebanho contra febre aftosa, pois esta é uma garantia de continuarmos habilitados a exportar carne de qualidade e fomentar a nossa economia”, pontuou o presidente.

A Adapec informa que nesta etapa serão vacinados os bovídeos de todas as idades. E, a partir de 1º de maio, os produtores já podem adquirir a vacina, em estabelecimentos agropecuários credenciados pela Agência.  Além disso, é importante verificar o estado de conservação e acondicionamento, que deve estar em refrigeração e numa temperatura entre 2º e 8º C. “Após a compra, a vacina deve ser mantida no gelo nas proporções de uma parte de vacina para três partes de gelo, dentro de uma caixa térmica (isopor), até o momento da aplicação”, explica o responsável técnico pelo Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa, Márcio Rezende.

Rezende também recomenda que a aplicação da vacina deve ser feita na tábua do pescoço do animal na via subcutânea (entre o couro e a carne), com a dose recomendada de 5 ml por animal, trocando sempre a agulha da seringa a cada 10 aplicações.

Comprovação da vacina

Após vacinar o rebanho, o produtor rural tem até 10 dias para procurar o escritório da Adapec no município onde sua ficha é movimentada, levando a nota fiscal da compra da vacina e a carta-aviso preenchida corretamente, com todos os dados dos rebanhos existentes na propriedade. Vale ressaltar que a comprovação da vacina é obrigatória.