Saúde

Foto: Frederick Borges

Nesta quinta-feira, 28, comemora-se o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes do Trabalho. Data em que toda a sociedade deve se lembrar da importância da adoção de medidas de prevenção de acidentes de trabalho e da promoção de ambientes saudáveis ao trabalhador. Registros gerados a partir de atendimentos de trabalhadores por serviços de saúde públicos informados à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) mostram que cresceu em 33,5% o número de registros de acidentes de trabalho considerados graves no Tocantins entre 2010 e 2015.

De acordo com os registros, em 2010 foram 1.006 notificações; em 2011, foram 1.082 notificações e em 2012, outros 1.221 acidentes graves notificados no Tocantins. Em 2013, houve uma perceptível queda no número de registros, que chegaram a 990 acidentes notificados. No entanto, em 2014, os registros voltaram a subir, totalizando 1.197 acidentes graves registrados. Já em 2015, as notificações totalizaram 1.344 acidentes graves em todo o Estado. “A falta de equipamento de proteção individual (EPI), na maioria dos casos, é a última causa neste processo. Geralmente são os ambientes de trabalho inadequados, falta de organização nos processos de trabalho e a falta de treinamento ou orientação de como desenvolver suas atividades que expõem mais o trabalhador ao risco de um acidente”, informa Alana Barbosa Rodrigues, assistente social e assessora técnica da Gerência de Vigilância em Saúde do Trabalhador da Sesau.

Com relação aos óbitos, as notificações de mortes de trabalhadores por acidentes de trabalho decresceram no decorrer do mesmo período. Entre 2010 e 2015, 363 notificações de óbito foram registradas. Em 2010 foram 104 óbitos; em 2011, 61 óbitos; em 2012, 77 óbitos e em 2013, 54 óbitos. No ano de 2014, foram 36 casos e em 2015, outros 31 casos de morte por acidente de trabalho no Estado. “Esses dados indicam que existe ainda subnotificação das informações, na qual muitos trabalhadores morrem pelo trabalho e não são identificados pelos serviços de saúde”, explica Alana.

Primeiro atendimento

Apesar do crescimento das notificações de acidentes de trabalho grave ser alarmante, o crescimento de notificações pode ser um indicador importante, especialmente, por demonstrar que os serviços de saúde que recebem estes trabalhadores estão mais sensíveis à identificação e ao registro dos casos de trabalhadores que buscam atendimento logo após um acidente de trabalho.

Serviços mais sensíveis são considerados indicadores positivos, pois oferecem e têm condições de reter informações mais qualificadas para as equipes da Gerência de Vigilância de Saúde do Trabalhador, que atuam através do Centro de Referência Estadual em Saúde do Trabalhador (Cerest). Através destas informações, o Cerest pode direcionar melhor esforços para garantir suporte técnico, de educação permanente, de coordenação de projetos de assistência, de promoção e de vigilância em saúde do trabalhador e, consequentemente, ampliar a identificação e a oferta de recomendações para intervenção em ambientes suscetíveis ao adoecimento do trabalhador.

Saúde do Trabalhador

Dentro da rede estadual de serviços de saúde, a Gerência de Saúde do Trabalhador/Cerest é responsável pelo trabalho de vigilância e monitoramento de acidentes relacionados ao trabalho independente da natureza do vínculo empregatício do usuário. Dúvidas, orientações e solicitações do fluxograma podem ser feitas através do email saudetrabalhadorto@gmail.com.