Economia

Foto: Josimar Oliveira BR Distribuidora no pátio multimodal da Ferrovia Norte-Sul, no distrito de Luzimangues, é uma das responsáveis pelo avanço do município BR Distribuidora no pátio multimodal da Ferrovia Norte-Sul, no distrito de Luzimangues, é uma das responsáveis pelo avanço do município
  • Loteamento no distrito de Luzimangues que tem apresentado rápido crescimento

Localizada a 60 quilômetros de Palmas, a cidade de Porto Nacional desponta no cenário nacional como polo de desenvolvimento do Estado do Tocantins. Com forte potencial agropecuário, a economia do município também é favorecida pelo pátio multimodal da Ferrovia Norte-Sul, no distrito de Luzimangues, o qual tem atraído empresas que atuam no armazenamento e escoamento da produção agrícola do Estado.

O pátio está em funcionamento desde 2013 e conta com firmas de transporte de combustível (BR Distribuidora, Norship e Raízen), além da Agrex do Brasil, que atua na produção e comercialização de grãos, fertilizantes, sementes e distribuição de defensivos agrícolas. Recentemente, foi inaugurado ainda o Terminal Integrador Porto Nacional, da Vale da Logística Integrada (VLI), que compõe o Corredor Centro-Norte. 

Possibilidades

As possibilidades são responsáveis por colocar Porto Nacional entre as dez principais cidades brasileiras que compõem a rota do emprego, segundo pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Muitos desses profissionais qualificados enxergam a chance de ter um emprego com salário competitivo e qualidade de vida, longe dos engarrafamentos quilométricos dos grandes centros urbanos. 

Quem também está de olho no progresso do município é o mercado imobiliário, que está investindo em obras comerciais e de moradia. Um exemplo é a Buriti Empreendimentos que, de 2009 a 2015, lançou 19 loteamentos residenciais em Porto Nacional, sendo que 15 deles estão no distrito de Luzimangues. No total, isso representa quase 11 milhões de metros quadrados de área loteada, sendo mais de 23 mil lotes ofertados com metragem média de 300 m2, variando de 235 m² (Residencial Jardim América) até 600 m² (Residencial Jardim Universitário). Em função da alta demanda habitacional, a empresa já planeja lançar mais 3 mil lotes na região em 2017.

Segundo o diretor da Buriti, Sidney Guimarães Pena, a procura por esses lotes é bastante expressiva. Ele conta que vários fatores contribuem para esse resultado. “A expansão urbana ordenada promovida por esses empreendimentos, aliada a preços atrativos, quando comparados com os praticados na capital do Tocantins, em condições facilitadas, fazem toda a diferença. Para se ter uma ideia, enquanto em Porto Nacional e Luzimangues o preço dos lotes varia de R$ 35 mil a 50 mil; em Palmas, o valor médio é de R$ 87 mil, podendo chegar até R$ 135 mil, no caso de lotes residenciais na região do plano diretor”, explica.

Moisés Carvalho Pereira, que também é diretor da incorporadora, acrescenta que os loteamentos da Buriti são entregues com completa infraestrutura, o que contribui para o sucesso nas vendas. “Além do parcelamento planejado do solo e da ordenação do uso e ocupação dos espaços urbanos - com áreas destinadas à preservação ambiental e ao uso coletivo -, nossos empreendimentos contam com sistema de distribuição de água, pavimentação asfáltica, captação e drenagem de águas pluviais, energia elétrica e iluminação pública”, detalha.

Números positivos comprovam potencial da cidade

De acordo com o Atlas do Desenvolvimento Humano das Nações Unidas, Porto Nacional está entre os dez municípios do Tocantins que tiveram o Índice de Desenvolvimento Humano por Municípios (IDHM) considerado alto, com médias entre 0,7 e 0,799.

Já com base nos levantamentos feitos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente ao ano de 2011, Porto Nacional é o quarto maior PIB do Estado, ficando atrás de Palmas, Araguaína e Gurupi.

O município está entre as 100 cidades pequenas (com população entre 50 mil e 100 mil habitantes) que mais se destacam quando o assunto é infraestrutura, segundo levantamento da Urban Systems para revista Exame. No ranking geral, que faz parte da pesquisa “As melhores cidades do Brasil para fazer negócios”, o município ocupa a 81º posição, com 2,312 pontos. A primeira colocada é Vinhedo (SP), com pontuação de 3,273.