Estado

Foto: Divulgação

A diretoria do Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Tocantins (Sinpol-TO) participou de mais uma reunião com o secretário-geral de governo e Articulação Política, Lyvio Queiroz, no Palácio Araguaia, nessa quarta-feira,18. Representantes de diferentes Sindicatos e Associações dos Militares também estiveram no encontro para cobrar um posicionamento sobre pagamento do retroativo da data-base do ano passado e a implementação do índice de 9,8307% referente a 2016.

Há cerca de dois meses, as diversas categorias de servidores públicos estaduais decidiram se unir em prol da negociação com o governo, mas até então, segundo o Sinpol, as reivindicações estavam sem respostas. O Sinpol informou que a "única proposta apresentada" pelo secretário, que é também presidente do Grupo Gestor de Controle e Eficiência do Gasto Público, foi o pagamento passivo da data-base de 2015, dividido em 24 vezes, sendo que não foi definida data de início de implemento desse parcelamento. "Quanto ao reajuste de 2016, o governo não discutir e sequer apresentou uma proposta para pagamento", segundo o Sindicato. 

O Sinpol Tocantins manifestou não concordar com a proposta do governo, "já que o mesmo não cumpriu, até agora, com o que foi acordado em 2015", posiciona o Sindicato. Outra reunião está prevista para esta quinta-feira, 19, entre os Sindicatos.

Entenda

O Sinpol explica que, por acordo firmado em 2015, foi aprovada uma lei que prevê parcelar a data-base em duas vezes (4,17% + 4,0033%), sendo a primeira parcela na folha de julho e a segunda parcela na folha de outubro deste ano; pagar, através de folha complementar e de forma imediata, o retroativo referente à primeira parcela, gerado nos meses de maio e junho (4,17% + 4,17%); pagar os retroativos da segunda parcela (4,0033%), gerado no intervalo de maio a setembro de 2015, em 12 parcelas mensais e iguais, no período de janeiro a dezembro de 2016.

Por: Redação

Tags: Lyvio Queiroz, Sinpol