Estado

Foto: Divulgação

A vice-governadora do Estado e pré-candidata a prefeita de Palmas/TO, Claudia Lelis (PV), entrou em contato com o Conexão Tocantins na tarde desta quinta-feira, 30, para rebater as críticas feitas pelo prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB). Segundo Claudia Lelis, as constantes alfineteadas do gestor demonstra desespero e preocupação com a sua pré-candidatura a prefeita de Palmas. "Vejo sem surpresa nenhuma pelos inúmeros episódios e destempero que ele faz no Twitter. Agora, isso me parece muito mais um desespero de quem está aí, não conseguindo diminuir a sua rejeição, que diga-se de passagem, é altíssima na nossa Capital, enquanto nós estamos ganhando as ruas de Palmas", frisou. 

Claudia Lelis disse que continuará a fazer campanha propositiva em Palmas. "Vamos continuar, da mesma maneira, fazendo uma campanha limpa, tranquila, propositiva, que é isso que a população de Palmas espera de nós", disse. Claudia Lelis reafirma que as reações do prefeito de Palmas demonstra incômodo. "A gente tem, realmente, incomodado bastante e só posso entender essas reações tão agressivas como ele tem tido ultimamente como forma de desespero mesmo", disse. 

O prefeito Carlos Amastha criticou os impostos praticados pelo Governo do Estado. Segundo Amastha, o Governo não pensa em outra coisa que não seja aumentar tarifas e impostos. Para a pré-candidata à Prefeitura de Palmas, vice-governadora Claudia Lelis, a gestão do prefeito Carlos Amastha que é resumida em aplicação de impostos. "Costumo dizer que essa gestão, tudo nela é imposto. Imposto de forma impositiva para a população e imposto de taxas", disse. 

Ainda de acordo com Claudia Lelis, é prática do prefeito Amastha pegar fatos para marketing eleitoral. "Para poder confundir as pessoas, enganar as pessoas, ludibriar as pessoas. Então isso já é uma prática dele. Ele pega um fato e tenta reverter a seu favor, tentando enganar as pessoas", disse. 

Parecer da PGE

Sobre o parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE), manifestando-se pela cassação do mandato do governador do Estado, Marcelo Miranda (PMDB), e de Claudia Lelis, a vice-governadora disse ter recebido com naturalidade. "Essa questão da Procuradoria Geral, o Ministério Público é que acusa, então, naturalmente, esse parecer não poderia ser diferente porque são eles mesmos que estão fazendo a acusação", afirmou.