Campo

Foto: Divulgação

O diagnóstico da pesca artesanal iniciado em março deste ano nas colônias de pescadores nos municípios às margens do Rio Araguaia, no Tocantins, estenderão até dezembro. As próximas visitas da equipe de técnicos acontecem nesta semana, de 4 a 8, nos municípios de Aragominas, colônia, Z-24 e Santa Fé do Araguaia, colônia Z-19, ambas na região Médio-Norte do Estado. A pesquisa é realiza pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em parceria com a Secretaria do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro). 

A próxima visita, no mês de agosto, acontece no município de Caseara, quando a equipe fará o diagnóstico e a definição dos pontos de coletas para os peixes da região.

Para o gerente de pesca da Seagro, Thiago Fontolan Tardivo, a pesquisa, inicialmente já aponta para algumas necessidades básicas dos colonos. “Entre elas, podemos citar a falta de informação para que os pescadores possam ter acesso aos créditos de financiamentos neste segmento da pescar artesanal”, argumentou.

Visita nas aldeias

Na última visita, de 20 a 24 de junho, os técnicos estiveram nas colônias de pescadores das aldeias indígenas Boto Velho e Canoanã, na Ilha do Bananal. O levantamento é realizado em três fases de atuação: Plano de Gestão; Diagnóstico Participativo e Adaptação Tecnológica. A pesquisa acontece em 14 municípios à beira do Rio Araguaia.

Pesquisa

A pesquisa é resultado do convênio destinado ao projeto “Conhecimento e Adaptação Tecnológica para o Desenvolvimento Sustentável da Pesca no Rio Araguaia”. Na pesquisa participam a Seagro, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins).

O Tocantins possui um total de 7.033 pescadores, em 37 colônias.  A previsão é que a pesquisa seja finalizada, em 2018. 

Rio Tocantins

A intenção é que este o diagnóstico estenda para Rio Tocantins. “A previsão, assim que terminarmos o levantamento no Rio Araguaia, passaremos a realizar essa mesma pesquisa no Rio Tocantins, provavelmente, ainda este ano”, complementou Thiago Fontolan Tardivo.