Estado

Foto: Jully Anna Santana Encontro reunirá índios da região Sul do Estado: Krahô-Kanela; Javaé; Karajá; Avá-Canoeiros e ainda os Xerente Encontro reunirá índios da região Sul do Estado: Krahô-Kanela; Javaé; Karajá; Avá-Canoeiros e ainda os Xerente

As discussões acerca das condições de vida e melhorias nas comunidades são constantes, a exemplo do encontro denominado “Diálogo e Perspectivas para os Povos Indígenas do Tocantins”, que acontece nesta quarta-feira, das 8h30 às 18 horas, no Palacinho, em Palmas, envolvendo os povos indígenas que habitam a região sul do Estado: Krahô-Kanela; Javaé; Karajá; Avá-Canoeiros e ainda os Xerente. O encontro é promovido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Cidadania de Justiça (Seciju), via Gerência de Proteção de Povos Indígenas.

As políticas públicas articuladas ou promovidas pelo Governo do Tocantins acontecem de forma transversal envolvendo diversas pastas estaduais, a exemplo das secretarias da Cidadania e Justiça (Seciju), da Educação (Seduc), da Saúde (Saúde), do Trabalho e Assistência Social (Setas) e Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), entre outras. Nesse encontro, em especial, técnicos da Seciju, da Seduc e da Cultura farão apresentações de políticas pública que o Estado já desenvolve em favor dos povos indígenas locais, além daquilo que a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Distrito Sanitário de Saúde Indígena (Dsei) já têm em andamento.

Segundo a diretora de Direitos Humanos da Seciju, Maria Vanir Ilídio, é importante organizar os povos indígenas, uma vez que o Estado articula a criação do Conselho Estadual dos Povos Indígenas do Tocantins, que seguirá os mesmo parâmetros do Conselho Nacional de Políticas Indigenistas (CNPI), criado em 17 de dezembro de 2015, já que até então existia apenas a Comissão Nacional de Políticas Indigenistas.

“Não podemos esquecer que muito já foi feito com relação aos nossos povos indígenas no passado. Mas temos que pensar no futuro, pois será através do conselho que poderemos dar um passo maior e criar o Plano Estadual de Políticas Indigenistas do Estado do Tocantins. Essas construções conjuntas requerem organização, pois será o plano que direcionará as políticas públicas, bem como as captações de recursos e suas devidas aplicações e fiscalizações”, lembra.

Ainda no encontro de povos indígenas desta quarta-feira, será feito um retrospecto das políticas públicas para os povos indígenas do Tocantins por Joana Munduruku, na visão Fórum Permanente de Mulheres Indígenas Nacional do qual ela é membro. Além disso, um grupo de mulheres indígenas se reunirá para tratar da criação da Associação Estadual de Mulheres Indígenas do Estado do Tocantins. “As políticas públicas devem ser criadas e executadas pensando na transversalidade das ações. É o que deseja esse grupo de mulheres indígenas com a associação”, explica Eliete Xerente, gerente de Proteção de Povos Indígenas.

Encontros

No encontro, serão escolhidos 50 índios, chamados de delegados, que somados a outros 50 que serão escolhidos no encontro de povos indígenas da região Norte do Tocantins, que acontecerá em agosto, em Araguaína, participarão da Conferência Estadual dos Povos Indígenas, que acontecerá em setembro, na Capital. Essa conferência tem como objetivo principal a criação do Conselho Estadual dos Povos Indígenas do Tocantins.

Princesa

Como parte da programação do encontro “Diálogo e Perspectivas para os Povos Indígenas do Tocantins”, a princesa da Bélgica, Maria Esmeralda Adelaida Liliana Ana Leopoldina, em sua visita ao Tocantins, se encontra, na tarde desta terça-feira, com grupos indígenas na Aldeia Xerente Porteira, em Tocantínia, onde participará de atividades de integração com as comunidades locais. A comunidade representará os oito povos indígenas do Tocantins. A comitiva tem ainda o embaixador belga, Josef Smets. Ambos serão acompanhados pelas secretárias da Cidadania e Justiça, Gleidy Braga, e da Estado da Educação, Juventude e Esportes, Wanessa Zavarese Sechim.

Já na noite desta terça-feira, os povos indígenas do Estado serão apresentados também no hall do Palácio Araguaia, em Palmas, por meio da apresentação da Dança Marakasi, do Povo Javaé - costumam realizar em celebração da colheita da roça -, e uma exposição fotográfica e objetos da cultura indígena, que poderá ser visitada pelo público nesta quarta-feira, das 8 às 18 horas. A exposição foi montada pelas secretarias da Educação e Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Turismo e Cultura (Seden). O evento à noite é restrito para convidados da Embaixada da Bélgica.