Meio Ambiente

Foto: Fábio Gamba

Nessa quinta-feira, 7, a equipe do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) que atua na APA Ilha do Bananal/Cantão, iniciou a instalação de placas informativas permanentes, em pontos estratégicos, as margens do Rio Araguaia, no município de Araguacema, à 297km da Capital.

Serão dois modelos, sendo um para indicar aos visitantes e a comunidade, que não é permitida a utilização do local para atividades recreativas, em especial para nadar e outro, sobre a possibilidade da presença de jacarés, indicando as medidas de segurança para evitar o contato e a aproximação da espécie.

Nessa primeira etapa, serão instaladas placas no Porto da Balsa, no Porto Antigo da Balsa, no Porto das Mulheres, no Porto do Avião e outra, numa área mais profunda e de menor movimento, após o Cais do Porto, mas que visitantes, menos informados, às vezes buscam se instalar.

A sinalização informativa é uma das medidas permanentes, que serão tomadas pelo Naturatins para apoio à segurança dos frequentadores, bem como para manutenção do equilíbrio e proteção ambiental do município. A atividade recreativa contínua, em sua orla, se intensificada no período de férias e atitudes preventivas, no contato com a natureza, a qualquer tempo, se fazem necessárias.

Visitas as praias e acampamentos para entrega de folhetos educativos é outra ação que já está sendo realizada, além da assinatura do Termo de Compromisso pelos responsáveis dos grupos instalados, que se comprometem com a destinação apropriada do lixo produzido, a não retirar da mata ciliar para estruturar o acampamento e a entregar o local da mesma forma que recebeu, com a realização da total remoção das instalações montadas para seu conforto, antes de sua partida.

A placa instalada no Porto do Avião, local do desaparecimento do banhista, proíbe a utilização da área para atividades recreativas ou para nadar. E o vice-presidente do Naturatins, Edson Cabral, esclarece o motivo. “A proibição neste Porto foi determinada por três motivos, o local possui uma profundeza acentuada, é de utilização da Prefeitura Municipal no escoamento do lixo recolhido nas praias para serem levados ao aterro sanitário e possui uma vegetação selvagem, que propicia a acomodação de animais, inclusive da espécie crocodiliana que, no período de cheia, costumam utilizá-las para construção de seus ninhos”, pontuou.

Segundo informação do supervisor da APA Ilha do Bananal-Cantão, Fábio Gamba, os outros portos possuem áreas mais rasas. “Não há uma permissão para lazer nesses locais. Nesse período de praia é muito raro observar o uso deles para diversão, mas, em outras épocas, a população costuma utilizar esses portos mais rasos, como área de banho e visitação. Por isso, vemos a necessidade de instalar as placas para orientação neles”, esclareceu.

Perfil dos Portos

O Porto da Balsa é um local de travessia para o Estado do Pará, que não é propício para banho, por sua profundidade e pela força da correnteza, então as pessoas que conhecem, não costuma utilizar para o banho.

Já o Porto Antigo da Balsa tem característica tem características semelhantes, com profundidade razoável e correnteza, então também não costuma ser utilizado para o lazer. Mas seu diferencial é a formação de uma praia, nessa época, numa distância de cerca de 20m, o que permite a travessia de banhistas para sua utilização.

Por ser mais raso, o Porto das Mulheres, que recebeu esse nome porque antigamente elas costumavam lavar roupa no local, não possui quedas de profundidade e muitas pessoas da cidade costumam tomar banho nesse ponto.

Nessa época, o Cais do Porto, é utilizado para travessia de acesso à Praia da Gaivota, a agitação da água e sua baixa profundidade favorece o afastamento da espécie. Mas depois da temporada de praia, no período de cheia do rio, apesar de bem próximo as suas margens, é comum ser utilizado pela comunidade para banho e nesse período, de acordo com o nível do rio, também vai receber uma placa informativa.

Parcerias

A instalação das placas é uma iniciativa do Governo do Tocantins, por meio do Naturatins, em parceria com a Prefeitura Municipal de Araguacema e apoio da Universidade Federal do Tocantins (UFT), que juntos realizam um monitoramento da espécie e acompanha o esclarecimento das investigações, ainda em andamento, a respeito do desaparecimento de um banhista, ocorrido no mês de abril.

O Naturatins esclarece que outros cuidados devem ser mantidos, pois nesse período de seca e ventania, é preciso estar atendo às combinações de bebidas, mergulhos em locais rasos e profundos, bem como com o uso do fogo. Em caso de acidentes deve ser solicitada a ajuda das autoridades competentes, além do auxílio do Naturatins 0800 63 1155, a ligação é gratuita.

Entenda o Caso

As investigações, entorno da localização do banhista, Rogério Marques de Oliveira, de 41 anos de idade, por parte da equipe de inteligência da Polícia Militar do Tocantins, continua em andamento.

Já os exames anatomopatológico e antropológico conclusivos, realizados pelo perito médico legista e diretor do Instituto Médico Legal (IML), Jorge Pereira Guardiola, que na época, detalhou todos os procedimentos aplicados nos fragmentos retirados da barriga do jacaré-açu, descartou a suspeita de restos mortais humanos.

Diante do laudo, o Naturatins tranquilizou os turistas das praias do Rio Araguaia, formadas na extensão do município, mas reforçou que todos devem manter a atenção e os cuidados que se deve ter na temporada de férias.

Porém, o Instituto alerta que de acordo com a legislação ambiental, a captura e morte por retaliação do jacaré-açu, um animal silvestre, caracteriza crime ambiental. Em todo caso, a população deve aguardar as providências dos órgãos competentes. A fauna silvestre, mantém o equilíbrio da cadeia alimentar, e promove o controle populacional, entre as espécies, evitando que a superpopulação de um único tipo, se torne praga e promova o descontrole do ecossistema, como pode ser observado, em alguns locais, a superpopulação de piranhas.

Por: Redação

Tags: Edson Cabral, Fábio Gamba, Naturatins