Polí­tica

Foto: Divulgação

No primeiro dia de sessão após o fim do recesso parlamentar, e também um dia após o aniversário de 88 anos do ex-governador Siqueira Campos, o deputado Eduardo Siqueira Campos (DEM), chamou a atenção para a importância dos trabalhos legislativos que foram retomados nesta terça-feira, 2,  principalmente quando chegar o momento da discussão e votação das Leis Orçamentárias. O parlamentar também destacou o legado de Siqueira Campos, que dedicou a vida pela criação do Tocantins e é o fundador de Palmas.

Eduardo Siqueira destacou que a população tocantinense espera muito da Assembleia Legislativa na aprovação de leis de interesse do povo e também na fiscalização das ações do Poder Executivo. Eduardo Siqueira reafirmou que neste momento de crise, a Assembleia Legislativa não pode se omitir e precisa participar ativamente das discussões dos temas de interesse da população. O parlamentar relembrou que é neste segundo semestre que acontecem as discussões e a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentarias (LDO) e da Lei Orçamentária Anual (LOA), que segundo o parlamentar, são duas das mais importantes matérias pelas quais o Parlamento possui grande responsabilidade.

Missa

O deputado Eduardo Siqueira Campos também comentou a celebração da missa em ação de graças, que marcou as comemorações dos 88 anos de vida do ex-governador Siqueira Campos.  Eduardo Siqueira Campos relatou a alegria de Siqueira e dos familiares ao verem a Catedral de Palmas, na noite da última segunda-feira, 1, lotada de amigos, correligionários e até de ex-adversários políticos. Situação que o parlamentar diz não existir mais para Siqueira Campos.  “Em nome da família posso dizer que não imagino mais Siqueira Campos adversário de ninguém  e nem integrante a qualquer partido”, destacou.

Eduardo Siqueira Campos disse que a missão de trabalhar pela criação do Estado do Tocantins e depois realizar sua implantação e fundar Palmas foi dada por Deus a Siqueira.  “Ele recebeu um ministério concedido por Deus, uma missão”, frisou.  

Ao relembrar a história de Siqueira Campos, Eduardo elencou que mesmo vivendo de carregar caixas na Central do Brasil, no Rio de Janeiro, Siqueira ainda em 1946, quando ainda era adolescente, acompanhava, sempre que podia, a Constituinte às vésperas de entregar uma nova Carta Magna ao País. O deputado relatou a vida difícil vivida por Siqueira, que logo teve a oportunidade de ser office boy de Luís Carlos Prestes, no Partido Comunista do Brasil.