Campo

Foto: Clenio Araujo

Na agricultura, a semente é um dos principais pontos a que o produtor rural precisa estar atento. Escolher opções desenvolvidas para a sua região, considerando questões como produtividade e tolerância ou resistência a doenças, é um bom início. Porém, nem sempre o acesso a essas sementes é fácil. Em regiões em que a agricultura está crescendo mais recentemente, essa realidade aparece.

Dentro do chamado Matopiba, região que engloba partes de quatro estados (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) e é considerada a última grande fronteira agrícola do País, os produtores tocantinenses passam por isso com relação a sementes de soja fruto do trabalho da Embrapa. A intenção é diminuir essa dificuldade, mostrando mais as opções que a empresa tem para o estado.

O pesquisador Leonardo Campos, da Embrapa Soja (Londrina-PR) e que atua na região do Matopiba, relata que "você tem duas colocações que os agricultores começam a dizer: que hoje não se encontram fácil as sementes da Embrapa no mercado e que a empresa não tem lançado materiais. Então, uma das formas de reverter isso é mostrar, por exemplo, quem está fazendo a multiplicação de sementes aqui no Formoso. No caso aqui, a gente tem cultivares da Embrapa que estão indo muito bem e que têm uma tendência a tomar um espaço grande no mercado".

O Formoso a que o pesquisador se refere é a região de Formoso do Araguaia, no Sudoeste tocantinense. No último dia 3, ele esteve na propriedade de João Alberto Ribas Soares, onde há campos de produção de sementes de cultivares de soja da Embrapa. São cinco as cultivares plantadas: BRS 7780 IproBRS 8280 RRBRS 8482 CV;BRS 8781 RR; e BRS 9180 Ipro. O produtor faz parte da Fundação Cerrados, parceira da Embrapa no desenvolvimento de novas cultivares e na produção de sementes BRS. João Alberto aprova, por exemplo, a BRS 9180 Ipro: "o material é bom, não resta a menor dúvida".

Com parcerias como essa, envolvendo a pesquisa pública e o setor produtivo, a tendência é de que os produtores rurais brasileiros tenham acesso de maneira mais fácil a cultivares BRS, fruto do melhoramento genético da Embrapa. No caso do Tocantins, é um caminho que começa a ser percorrido de maneira mais efetiva com relação à soja. Bom para os produtores, que terão mais opções de plantio dessa cultura agrícola.

Por: Redação

Tags: Campos, Leonardo Campos