Cultura

Foto: Divulgação

Intitulada “Pé na Estrada: Um Mosaico Cultural do Tocantins”, a exposição fotográfica da professora Kátia Maia Flores está aberta no Instituto de Artes, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, no Câmpus de São Paulo/SP. A exposição conta com cerca de 30 imagens em preto e branco e retratam a cultura tocantinense. A mostra foi aberta na segunda-feira, 10, e segue disponível até sexta-feira, 14. A entrada é franca. Kátia Maia Flores é fotógrafa e docente do Curso de Licenciatura em Teatro, da UFT. Atua na área de história da arte e patrimônio histórico e cultural. 

Segundo a professora a mostra é resultado de registros fotográficos realizados ao longo de vários anos (acervo pessoal), fruto de pesquisa com as culturas populares tradicionais do Tocantins, resquícios dos processos coloniais do século XVII e suas devidas mestiçagens. “São imagens coletadas sem grandes pretensões estéticas, mas intencionalmente, um registro documental de pessoas (retratos), de tipos tradicionais quilombolas, indígenas, artesanatos, culinária, festas, arquitetura, que constituem o mosaico diverso que é o Tocantins”, explica.

Exposição

O Tocantins é uma das mais recentes áreas de fronteira do País. A luta separatista secular que resultou em sua criação (1988) tinha como premissa a necessidade de dividir o estado de Goiás na linha do Paralelo 13, criando na parte norte, um novo estado, como meio de viabilizar um projeto de desenvolvimento que passava pela integração do Norte do país através de um corredor, em que o Tocantins tinha papel estratégico. Esse modelo desenvolvimentista em curso remonta em mais de década da criação do novo estado, e seus efeitos e impactos estão latentes, historicamente, num conjunto de conflitos e desarranjos de toda ordem, que colocam interesses sociais, econômicos e culturais em extremos opostos e que orientam modelos econômicos que negligenciam especificidades regionais e singularidades. Essas especificidades encontram-se latentes na mostra fotográfica e resultam dos diferentes processos, temporalidades e territorialidades no Tocantins.

Por: Redação

Tags: Agenda Cultural, Kátia Maia Flores